PMDB quer controle de CPI do Cachoeira para coagir Planalto

O PMDB quer ser tutor da CPI do Cachoeira e assim negociar com o Planalto os rumos da investigação sobre as ligações políticas do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

A ideia é mostrar que a CPI é uma “invenção do PT” e que, uma vez instalada, vai acabar respingando no governo de Dilma Rousseff por culpa do voluntarismo de seu próprio partido.

Detentor da presidência da CPI, por ser o maior partido no Senado, o PMDB vai esperar para ver o PT chegar ao auge do desgaste com a presidente, para assim aparecer como o “salvador da Pátria”. “Essa pode ser a CPI mais sangrenta da História”, disse o presidente do PMDB, senador Valdir Raupp (RO).

“Nós não queríamos a CPI. O PT insistiu em fazê-la. Tudo poderia ter sido resolvido pelas investigações da Polícia Federal e Ministério Público”, afirmou Raupp.

O PMDB manteve a cautela enquanto petistas e oposição iam atrás das assinaturas. “Não há mais como deixar de assinar a CPI. Mas temos a consciência de que o PMDB não é um partido com vocação para pitbull. Não temos essa espécie na nossa bancada”, disse o presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Eunício Oliveira (CE). Ele avisou ainda aos petistas: “Não botem no colo do PMDB um problema que não é dele”.

Antes de liberar a assinatura de parlamentares a favor da CPI, o PMDB buscou orientação do Planalto sobre a investigação. O líder no Senado, Renan Calheiros (AL), perguntou ao líder do governo, Eduardo Braga (PMDB-AM), qual era a ordem. Braga respondeu: “Não tenho nenhuma orientação”. (João Domingos e Eugênia Lopes, Estadão.com.br)

Notícias Relacionadas