970×90

Greve dos professores da Bahia: ano letivo está perdido.

A greve dos professores da rede estadual de ensino completou ontem 100 dias, sedimentandose como a maior paralisação da categoria na história do Estado. Sem acordo estabelecido entre o Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Estado da Bahia (APLB) e o governo, pairam entre os alunos da rede de ensino sentimentos de indignação, angústia e insegurança.

Para especialistas em educação, o ano letivo já está inviabilizado, mesmo que aconteçam atividades de reposição após o fim do movimento.

Leia também:

“Trata-se de um prejuízo para a educação sem retorno e sem precedentes na Bahia. Nenhum planejamento vai suprir o que os alunos iriam aprender normalmente, sem pressão e dentro do convívio escolar como o esperado. Essa parte da cognição de qualquer ser humano não vai ser capacitada, levando emconta três meses fora das salas”, afirma o professor da Universidade do Estado da Bahia (Uneb), especialista em educação, Basilon Carvalho.

Para a doutora em educação pela Universidade de São Paulo (USP), Maria Ornélia da Silveira Marques, o prejuízo para os alunos é irrecuperável, ainda que a Secretaria de Educação do Estado (SEC) tente fechar o ano letivo com aulas aos sábados e domingos, estendidas para o mês de janeiro e, possivelmente, fevereiro de 2013.

“Legalmente pode-se recuperar o ano letivo mas, em termos de aproveitamento, não”, afirma a professora. (A Tarde)

Notícias Relacionadas

15 Comentários

  1. Roberto

    Os anos letivos já vêm sendo perdidos a algum tempo na educação pública brasileira. Não será esse episódio que vai sacrificar os alunos, mas toda uma história de educação sem qualidade que terminou por conformar ou anestesiar a parte da população que mais precisa dessa oportunidade para seus filhos.

    1. Emanuela

      Concordo plenamente!!! As pessoas não conseguem enchergar algo tão óbvio.

  2. adriano silva de oliveira

    nao tem como fazer uma omelete sem quebrar os ovos, entao nao tem como melhorar a educaçao ou os salarios sem prejuizo pra alguem e nessa briga todos saem perdendo pois os professores tem que trabalhar sabados e durante as ferias e os alunos nao vao assimilar os conteudos pois o ano esta totalmente pertubado, nao clima mais esse ano pra nada.

  3. Ju

    Estou muito emocionada por saber que o prejuízo moral e psíquico que essa greve deixará nos alunos e professores não se pode medir por nenhum especialista, mas será sentido concretamente por todos nós…Uma certeza está em nossos corações: Um governo que massacra professores e subestima o tipo de educação que os baianos merecem e precisam, não passará para a história como um bom estadista. Daqui há algum anos quando historiadores forem estudar o ano de 2012 recuperarão todos esses artigos, vídeos, depoimentos e comentários e escreverão nos livros: 2012 o ano mais dramático da educação baiana.

  4. Fátima S. Marinho

    Intransigência, pois a própria Presidente sr. Dilma já deixou claro o Estado que não tiver condições de pagar sua folha que faça um relatório e encaminhe ao Gov. Federal. Qual o motivo do orgulho é isso que vale a Educação? Faculdade, Pós graduação, mestrado, doutorado. Prá que estudar? Porquê se o Governo esta certo porque não exonerou os grevistas e contratou novos? Realmente a Bahia agora é somente Camaçari- Arena Fonte Nova, acabou o restante da Bahia. Estudantes movam-se sejam lutadores, tenham ideias. Exijam aulas um ano é mais que uma vida,~o tempo não volta sei disso lembra de Nilo Coelho em 1990?

  5. George Bezerra

    O governador e o secretário de educação são tão estúpidos que não são capazes de perceber que, caso eles se sintam “vencedores” nessa luta dos professores que estes voltarão às atividades pedagógicas felizes, satisfeitos, motivados, cumprindo suas obrigações, dando o melhor de si e fazendo todo e qualquer sacrifício para reparar as perdas do ano letivo.
    Em quaisquer das hipóteses, o governador condenou os alunos baianos a perderem a pouca qualidade de ensino que eles fazem com que (não) aconteça nas nossas escolas.

  6. Soraya Almeida Cardoso de Souza

    Hoje acho que até os professores não têm direito de ganhar mais, pois a consciência política, ideológica e principalmente a consciências de suas funções,obrigações e papel frente aos alunos está mais do que perdida. Quando ouço da parte de professores: “Aluno não quer dana”; Todo mundo vai “passsar”, porque “passamos”todo mundo”, ninguèm vai perder… Fico enojada, envergonhada e indignada, porque fica claro que os nossos filhos, os nosssos alunos paracem não ter valor, não serem dignos! Nós pagamos CAROOOOO POR TUDO!!!

  7. adilson

    Vamos ver no que vai dar, agora nós pais temos que nos mobilizar e mover um processo coletivo contra esse prejuizo aos nossos filhos.

    filhosdagreve@hotmail.com

    vamos mobilizar, vamos mostrar nossa força…

  8. JOSENILDO

    A verdade é que a educação de qualidade sempre foi e sempre será Direito da Elite. Algo que nem Martinho Lutero sendo “Evangelico” quiz modificar. Tudo isso é apenas uma máscara.

  9. Carlos

    Estes são os professores que amam a profissao e ao nosos filhos. Os filhos deles estao estudando em escola particular. Vamos dar uma banana aos professores do estado. Vamos pedir para fazer demissao em massa porque estes nao sao profisionais. Eles amam muito o SALARIO.

    1. Tiago

      esta é a prova que o que mais existe neste mundo são falsos moralistas. pessoas que criticam a atitude dos professores nesta greve legal, digna e com propósito de ser. infelizmente creem eles justamente o oposto, criticam, atacam e até ofendem o profissional da educação com tal postura, isto porque não lhes ensinaram o que significa o mínimo de respeito e compaixão pelos os demais, se é um dia estes indivíduos tiveram realmente um educador presente em suas vidas, n´s mesmos. quer um conselho fatalista? cada um por si e todos contra todos. mas é bom que se lembrem … a bondade e a compaixão são o que de fato torna nossas atividades construtivas…

  10. Haroldo

    Gostei do comentário feito pelo intitulado Roberto. De fato não é a greve que está determinando a perda do ano letivo, como diz os entrevistados. Em relação ao aprendizado há décadas a educação pública pede socorro.

  11. Vitoria

    Feliz do professor que, com esse mísero salário, ainda consiga manter seus filhos na escola particular. Ele, mais do que ninguém, sabe o abandono que anda a escola pública. Falta material e merenda escolar, falta segurança, falta espaço físico adequado e, principalmente, o governo pressiona para que todos sejam aprovados a fim de não aumentar custos no ano seguinte e, o que é pior, mascarar os índices de qualidade da educação no páis.

  12. Valéria Guimarães

    A greve dos professores prejudicou os alunos de forma absoluta e ireparavel,nada fará com que os estudantes aprendam de forma eficiente.Os professores tem sim que lutar pelos seus direitos e pela valorização do seu trabalho,mas dessa forma não vão conseguir nda,apenas prejudicar milhares de jovens e adultos, qe tentar mudar suas vidas através da educação!

Comentários estão suspensos