Alckmin fica irritado com Aécio na presidência do PSDB e ameaça sair

Pré-candidato do PSDB à Presidência da República em 2018, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, não escondeu de aliados irritação diante da decisão do partido na quinta-feira de manter o senador Aécio Neves no comando da sigla até maio de 2018. A prorrogação do mandato do mineiro na presidência do PSDB aumentou a especulação em torno de uma saída de Alckmin da legenda para viabilizar sua candidatura daqui a dois anos. No entanto, tucanos próximos do governador ponderam que ainda é cedo para decisões desse tipo, segundo informa neste sábado reportagem do jornal O Globo.

Alckmin não ficou nada satisfeito com a permanência de Aécio como presidente dos tucanos.  Rumor sobre saída do partido aumenta.
Alckmin não ficou nada satisfeito com a permanência de Aécio como presidente dos tucanos. Rumor sobre saída do partido aumenta.

Além de Alckmin, Aécio e o ministro José Serra disputam internamente a vaga de presidenciável em 2018. Sentindo-se ameaçados, Serra e Aécio se uniram nas últimas semanas em torno de um acordo para minar a força do governador paulista, que saiu fortalecido da eleição deste ano com a vitória de seu apadrinhado, João Doria, para a prefeitura de São Paulo. A prorrogação do mandato de Aécio na direção do PSDB até maio de 2018 foi aprovada anteontem na Executiva do partido com esse propósito.

O governador demonstrou incômodo com a ofensiva dos adversários de partido e se surpreendeu com a decisão. Entretanto, ninguém disse ter ouvido de Alckmin a possibilidade de ele abandonar o PSDB. Mas a possibilidade existe, e uma das legendas cotadas seria o PSB, do vice-governador Marcio França.

O melhor para Alckmin seria a eleição de um novo presidente do partido no lugar de Aécio. O que ele mais desejava era que o senador estivesse longe do comando da legenda no momento de escolha do presidenciável do PSDB em 2018. Percebendo que essa opção não se concretizaria, aliados do governador passaram a considerar nos últimos dias que uma prorrogação do mandato de Aécio somente até janeiro de 2018. Seria um bom meio-termo para Alckmin, já que Aécio continuaria de fora do comando do partido no momento de definição do próximo presidenciável. Mas foram voto vencido. (Fonte: O Globo)

Notícias Relacionadas