Ministro do STF recua e mantém prisões da Operação Lava-Jato

Teori Zavascki (Fellipe Sampaio/SCO/STF)
Teori Zavascki
O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), reconsiderou nesta terça-feira sua decisão e manteve presos onze envolvidos na Operação Lava-Jato da Polícia Federal. Nesta segunda, Zavascki havia concedido liminar que paralisou os inquéritos da operação e autorizava a libertação de todos os envolvidos.

Com a nova decisão, apenas Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, permanecerá em liberdade – ele deixou a carceragem nesta segunda. A defesa de Costa é autora da representação ao Supremo solicitando a suspensão da prisão.

Em despacho encaminhado na noite desta segunda ao juiz Sergio Moro, responsável pelas investigações no Paraná, Zavascki afirma que autoriza “cautelarmente que se mantenham os atos decisórios, inclusive no que se refere aos decretos de prisão, proferidos nos procedimentos”.

Ao recuar da decisão, Zavascki acatou os argumentos do juiz paranaense, que apontou risco de fuga dos investigados e lembrou que a libertação dos presos beneficiaria René Luiz Pereira, também acusado de tráfico internacional de drogas. Pereira também teve a prisão decretada na Operação Monte Pollino, de combate ao narcotráfico, que foi deflagrada quando ele já havia sido preso pela Lava-Jato.

Deputados – Para o ministro, independentemente da manutenção das prisões, os autos da Lava-Jato devem ser enviados ao STF. A Operação Lava-Jato “subiu” para o Supremo após a PF descobrir ligações das quadrilhas com os deputados federais André Vargas (PR) e Luiz Argôlo (SDD-BA). No despacho, Zavascki argumentou que, tendo à disposição o inteiro teor das investigações, decidirá “com maior segurança acerca do cabimento ou não do seu desmembramento, bem como sobre a legitimidade ou não dos atos até agora praticados”.

Permanecem presos o doleiro Alberto Youssef, além de Carlos Alberto Pereira da Costa, Raul Henrique Srour, Carlos Alexandre de Souza Rocha, Nelma Kodama, André Catão de Miranda, André Luís Paula dos Santos, Carlos Habib Chater, Ediel Viana da Silva, René Luiz Pereira e Maria de Fátima Stocker. Sleiman Nasin el Kobrossy continua foragido. (Laryssa Borges, na Veja Online)

Leia também:

Notícias Relacionadas

3 Comentários

  1. Valeria

    Que legal!!!! na verdade o objetivo wera soltar o ex diretor da Petrobrás…afinal, ele disse que iria abrir o bico…..tá na cara!!!

  2. Fedegoso

    Somos dramáticos e hipócritas. A pena não é a cadeia? Ora, os ditos cujos não foram ainda sentenciados, qual a razão desse dramalhão os querendo presos? E a democracia, a tal da ampla defesa que tanto defendemos?

    Ditadorezinhos de merda é o que somos quando queremos presos aqueles que ainda não foram julgados, não foram condenados. Ou não?

Comentários estão suspensos