Jornal da Mídia - Notícias em Cima da Hora  

CapaClassificados Recomende o JM Fale ConoscoAnuncie Aqui
Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014    H
Publique nosso noticiário em seu site como se ele fosse seu. É grátis e fácil!!!











Um produto da
Texto Pronto Comunicação

:: Bahia ::
Polêmica
Imbassahy denuncia diretor da Agerba na Câmara: 'É raposa tomando conta de galinheiro'.
  • Redação do JORNAL DA MÍDIA
  • Segunda-feira, 26/09/2011 - 09:27

    JM
    Imbassay fez longo pronunciamento na tribuna da Câmara dos Deputados, relatando as denúncias de irregularidades envolvendo o diretor da Agerba, Eduardo Pessoa.

    As denúncias de irregularidades, a falta de ética e de compostura atribuídas ao diretor-executivo da Agerba, Eduardo Pessoa, levaram o deputado federal Antonio Imbassahy (PSDB-BA) a fazer um longo pronunciamento na Câmara dos Deputados, no último dia 21 de setembro.

    O deputado fez um apelo ao governador Jaques Wagner para que não 'perca a compostura', mantendo na Agerba um agente público que fere, frontalmente, os princípios constitucionais, legais e éticos da administração pública.

    Eduardo Pessoa assumiu a diretoria-executiva Agerba no dia 16 de fevereiro, por indicação do secretário da Fazenda, Carlos Martins, com o apoio das empresas de ônibus do sistema intermunicipal de transportes.

    Imbassahy, que ingressou no Ministério Público da Bahia com uma ação e está processando Pessoa na Polícia Civil por prevaricação, afirmou que o diretor-executivo da Agerba, apesar de dirigir uma agência responsável pela regulação e fiscalização do transporte intermunicipal, presta serviços a empresas do setor através do seu escritório de advocacia.

    Imbassahy citou que, ferindo os interesses do Estado, Eduardo Pessoa advoga para empresas de transportes até mesmo contra o órgão que dirige atualmente, a Agerba, citando entre elas a empresa Novo Horizonte.

    E disparou:

    ''Mais uma vez, assistimos estarrecidos, no setor público, à velha fábula da raposa que toma conta do galinheiro. Pasmem, Srs. Deputados, ferindo todos os princípios éticos, morais e legais, mesmo após a sua posse na direção da Agerba , fato ocorrido em 16 de fevereiro deste ano, o advogado Eduardo Pessoa, por intermédio de seu escritório de advocacia, continuou a patrocinar causas de interesse de empresas de ônibus, setor que deveria regular e fiscalizar''.

    O parlamentar tucano lembrou, em seu discurso, que infelizmente a Agerba, na gestão de Eduardo Pessoa, frequentemente ocupa a mídia com denúncias de irregularidades. E lembrou o desabafo contra a corrupção de Roberto Busato, ex-Presidente Nacional da Ordem dos Advogados do Brasil, que assim se pronunciou:

    "O comportamento indecoroso de alguns agentes públicos expõe ao desgaste as instituições do Estado, aprofundando o descrédito que já as fragilizava perante a sociedade. A pergunta que ecoa da voz das ruas é uma só: Perdemos a compostura?"

    ''Faço aqui nesta tribuna um apelo ao governador Wagner para que não perca a compostura, mantendo na direção da AGERBA o Sr. Eduardo Pessoa, um agente público que fere, frontalmente, os princípios constitucionais, legais e éticos da administração pública''.

    Imbassahy concluiu seu pronunciamento afirmando: ''O povo da Bahia exige dos seus representantes compostura, sem pairar sob os administradores públicos quaisquer tipos de suspeita''.

    Diretor diz que dispensa de licitação é ilegal e enfrenta Eduardo Pessoa

    Foto
    Clima interno na Agerba é tenso. Diretores e servidores não gostam e nem aprovam o jeito "trator" de ser de Eduardo Pessoa.
    Na Agerba, Eduardo Pessoa é tido como um ''trator''. Recentemente, mandou realizar um ''REDA Curricular'' para contratar 22 funcionários, mesmo com o Ministério Público da Bahia tendo recomendado a suspensão do processo seletivo.

    Além das denúncias contra Eduardo Pessoa levadas pelo deputado Antonio Imbassahy à tribuna da Câmara dos Deputados, o diretor-executivo da Agerba está se confrontando com outros diretores da autarquia, que discordam da condução de alguns processos, mediante a dispensa de licitação pública.

    Recentemente, a empresa de consultoria Fipecafi, de São Paulo, foi contratada, sem licitação pública, para fazer uma ''consultoria''' no contrato de concessão da TWB. Por envolver rercusos públicos da ordem de R$ 700 mil, o diretor de Pesquisas e Tarifas da Agerba, Cássio Moreti, não aprovou a contratação e votou contra, no Colegiado da Agerba. Desde então, caiu em desgraça junto a Eduardo Pessoa e ao outro diretor da autarquia, Rondon Brandão.

    Para complicar ainda mais a situação e esquentar o clima na Agerba, Cássio Moreti voltou a reagir, e desaprovou, em um parecer de cinco laudas, a contratação, também sem licitação pública, de uma empresa que prestaria serviços à Agerba com a missão de ''fiscalizar'' os serviços de manutenção da TWB.

    O valor do contrato previsto inicialmente seria de R$ 4,3 milhões. Com o parecer contrário de Moreti, o valor caiu para a metade. Mesmo assim, Moretti continuou achando ilegal a dispensa de licitação. Por também ser contra a esse processo, o diretor de Pesquisas da Agerba, Sérgio Medrado Bandeira, foi demitido há duas semanas por Eduardo Pessoa.

    Notícias Relacionadas

    << Notícia Anterior



    Leia Também


    JM EXPRESS - Receba gratuitamente nosso boletim diário via email
    Primeiro Nome:
    Profissão:
    E-Mail:
    Assinar  
    Cancelar  
    Confirme o cadastramento respondendo ao email que você receberá.

    << Voltar Voltar   Recomende o JM Recomendar o JM   Imprimir Página Imprimir Página  

    BLOG DO JM

    ALÔ BAHIA

    :: Plantão


    :: Enquete
    A enquete está temporariamente fora do ar para manutenção.
    Desculpe-nos pelo transtorno.

    Esta enquete não tem valor científico e não representa a opinião do Jornal da Mídia


    CapaClassificados Recomende o JM Fale ConoscoAnuncie Aqui

    Copyright 2001-2011 Jornal da Mídia. Todos os direitos reservados.