Jornal da Mídia - Notícias em Cima da Hora  

CapaClassificados Recomende o JM Fale ConoscoAnuncie Aqui
Terça-feira, 29 de Julho de 2014    H
Publique nosso noticiário em seu site como se ele fosse seu. É grátis e fácil!!!











Um produto da
Texto Pronto Comunicação

:: Mundo ::
Relatório
Conflitos na África agravam a pobreza no continente
  • Agência Lusa
  • Quarta-feira, 07/09/2005 - 13:08

    Lisboa - A África ainda sofre as consequências dos conflitos da década de 90 que impedem o seu desenvolvimento, segundo um relatório das Nações Unidas, que coloca 30 países africanos entre os 32 menos desenvolvidos do mundo.

    De acordo com o relatório 2005 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), 30 dos 53 países africanos aparecem nas últimas posições a nível de Índice de Desenvolvimento Humano.

    "Cerca de 40 por cento dos conflitos mundiais atuais registram-se na África e ainda que o número de conflitos esteja a diminuir, as guerras de hoje prolongam-se mais e, como tal, o seu impacto no desenvolvimento humano é grave", refere o relatório.

    O documento estabelece uma relação direta entre os conflitos e a pobreza, dado que "destroem os sistemas alimentares, contribuem para a fome e a má nutrição e minam o progresso na saúde e na educação".

    "Nove em cada dez países da cauda do Índice de Desenvolvimento Humano viveram conflitos violentos em algum momento da década de 90", acrescenta o relatório.

    Os Estados propensos ao conflito são muitas vezes desesperadamente pobres, mas extremamente ricos em recursos e, neste caso, o relatório aponta o exemplo de Angola.

    Com um balanço de um milhão de mortos ou estropiados em mais de três décadas de guerra civil, Angola utilizou "a riqueza das segundas maiores reservas de petróleo de África e das quartas maiores reservas de diamantes do mundo" para alimentar a guerra civil.

    Angola aparece na posição 160, entre 177 países, no Índice de Desenvolvimento Humano e a esperança média de vida é de apenas 40 anos.

    Objetivos do Milênio - O PNUD considera que "prevenir e resolver conflitos e aproveitar oportunidades para a reconstrução pós-conflito aceleraria visivelmente o progresso para atingir os Objetivos do Milênio" definidos pela ONU, nomeadamente a redução da pobreza para metade até 2015.

    Segundo dados das Nações Unidas, a maioria dos países da África subsaariana não conseguirá atingir estes objetivos. O relatório aponta o Sudão como exemplo da relação direta entre o conflito e o baixo Índice de Desenvolvimento Humano.

    Após mais de duas décadas de guerra civil entre o norte e o sul, que provocou mais de dois milhões de mortos e quase seis milhões de deslocados, apenas uma em cada cinco crianças sudanesas frequenta a escola, cerca de um terço da população não tem saneamento básico e a taxa de mortalidade materna é das mais elevadas do mundo.

    Em Darfur, região oeste do Sudão onde persiste um conflito há dois anos e meio já classificado pela ONU como a pior crise humanitária do mundo, as taxas de má nutrição estão estimadas em 40 por cento e 60 por cento das pessoas não têm acesso a água potável.

    De acordo com o relatório do PNUD, os conflitos provocam a "ruptura dos sistemas alimentares, o colapso dos meios de subsistência e a desintegração de serviços básicos, já de si limitados, e cria poderosos efeitos multiplicadores, com as crianças na linha da frente das vítimas".

    Dos cerca de três milhões de mortes no mundo desde 1990 relacionados com conflitos violentos, dois milhões são crianças, com a República Democrática do Congo a registrar o número mais elevado.

    As consequências da guerra civil de quatro anos neste país, que terminou em 2002, continuam hoje a matar cerca de 31.000 pessoas por mês.

    Segundo o documento, os conflitos têm também um impacto negativo na propagação do HIV/Aids, com a África Subsaariana a liderar a nível mundial com cerca de 26 milhões de infectados de um total de 41 milhões.

    O conflito violento em países pobres é também um aspecto da insegurança global e, estima o PNUD, "a guerra contra o terror nunca será ganha, a menos que a segurança humana seja alargada e reforçada".

    O PNUD considera que a ajuda internacional é essencial para a prevenção de conflitos mas lembra que esta deve ser bem direcionada sob pena de se alimentarem, ainda que não intencionalmente, conflitos internos.

    Exemplo desta situação é Ruanda, "onde a assistência ao desenvolvimento beneficiou uma pequena parte da população, com exclusão da maioria, o que contribuiu para alimentar o ressentimento, para a desigualdade e para a violência estrutural".

    "Se os doadores tivessem tido mais consciência das consequências dos seus atos e estivessem mais disponíveis para se envolver na prevenção do conflito, o genocídio de 1994", que provocou a morte a cerca de 800.000 pessoas em apenas 100 dias, "poderia ter sido evitado".

    Comércio exterior - O relatório refere ainda que África é "cada vez mais marginalizada a nível do mercado mundial", especialmente a África subsaariana que, com uma população de 689 milhões de habitantes representa menos, a nível de exportações, do que Bélgica, com apenas 10 milhões de habitantes.

    O PNUD aponta que as políticas comerciais "desequilibradas" levadas a cabo pelos países ricos impedem o crescimento dos países pobres.

    "As barreiras comerciais com as quais são confrontados os países em desenvolvimento que exportam para os países ricos são, em média, três vezes mais elevadas do que as que dizem respeito às trocas comerciais entre países ricos", refere o documento.

    O relatório mostra que os países pobres representam menos de um terço das importações dos países ricos mas, por outro lado, dois terços das receitas aduaneiras.

    A agência da ONU dá como exemplo os subsídios que os países ricos atribuem aos agricultores, que impedem os produtores dos países em desenvolvimento de competirem em pé de igualdade, o que gera perdas anuais de 19,7 bilhões de euros.

    << Notícia Anterior | Próxima Notícia >>

    Leia Também


    JM EXPRESS - Receba gratuitamente nosso boletim diário via email
    Primeiro Nome:
    Profissão:
    E-Mail:
    Assinar  
    Cancelar  
    Confirme o cadastramento respondendo ao email que você receberá.

    << Voltar Voltar   Recomende o JM Recomendar o JM   Imprimir Página Imprimir Página  

    BLOG DO JM

    ALÔ BAHIA

    :: Plantão


    :: Enquete
    A enquete está temporariamente fora do ar para manutenção.
    Desculpe-nos pelo transtorno.

    Esta enquete não tem valor científico e não representa a opinião do Jornal da Mídia


    CapaClassificados Recomende o JM Fale ConoscoAnuncie Aqui

    Copyright 2001-2011 Jornal da Mídia. Todos os direitos reservados.