‘Ministros do STF mandaram mensagem de leniência a favor da corrupção’, diz Deltan Dallagnol

Deltan Dallagnol criticou a decisão do Supremo de retirar de Moro trechos das delações premiadas em que executivos da Odebrecht se referiam a Lula.

Procurador e coordenador da força-tarefa da Lava-jato, Deltan Dallagnol criticou, nesta quarta-feira (15), os três ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que decidiram retirar de Curitiba e transferir para a Justiça Federal em Brasília novos trechos de depoimentos da Odebrecht que citam o ex-presidente Lula.

Em entrevista à Rádio CBN, Deltan Dallagnol afirmou: ‘Esses ministros do STF mandaram mensagem de leniência a favor da corrupção’, diz Deltan Dallagnol

Na avaliação do procurador, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski “são os mesmos que sempre tiram tudo de Curitiba, que sempre dão os habeas corpus e formam um panelinha”.

Para Dallagnol, a decisão não chega a enfraquecer a operação, mas “gera tumulto”.

Em relação a outra decisão do Supremo tomada ontem, de que uma denúncia baseada apenas em delação premiada não pode ser recebida, o coordenador da Lava-jato afirmou que, de modo geral, a força-tarefa jamais busca uma acusação criminal apenas com base na palavra de um colaborador. “É somente o ponto de partida”, completa.

Fonte: Rádio CBN

Notícias Relacionadas