Milhares de pessoas participam da festa da Independência da Bahia

Cortejo do Dois de Julho passando pela Soledade

A caminhada do 2 de Julho, que teve o horário antecipado pela organização neste ano, contou com a presença de organizações, manifestações culturais, gestores e representantes do Governo do Estado. Todos os anos, milhares de pessoas se concentram no Largo da Lapinha para celebrar a Independência da Bahia.

De lá sai o tradicional cortejo em direção à Praça da Sé, no Pelourinho e, em seguida, até o Campo Grande, rememorando as lutas em busca da separação do Brasil do domínio português, que começaram em 1822 e alcançaram seu objetivo no ano seguinte.

Presente nas festividades, o governador Rui Costa comentou a importância da data para a história do povo baiano e brasileiro. “Aqui se materializou a independência do Brasil, e essa paixão carrega os baianos. Num dia em que temos jogo do Brasil na Copa do Mundo, as ruas já estão lotadas desde cedo, com o povo querendo participar do cortejo. É um orgulho que está no sangue do povo da Bahia”, afirmou o governador Rui Costa.

O prefeito de Salvador, ACM Neto, também participou da desfile cívico pela manhã e à tarde, declarou: “É muito bom ver que a festa pela independência se tornou ainda maior com a vitória da Seleção e a classificação. Seremos campeões”, comemorou o prefeito, numa referência à vitória do Brasil sobre o México, na Copa do Mundo da Rússia. Ele disse que o Dois de Julho é a oportunidade de reverenciar os heróis da independência. “Somente aqui na Bahia a gente tem essa relação única do povo com sua cultura e história. E isso aumenta a nossa responsabilidade”.

Durante o cortejo, figuras como Maria Felipa, Joana Angélica e Maria Quitéria, personagens centrais desta conquista histórica, recebem homenagens. No caminho, o desfile ganhou a adesão do Caboclo e da Cabocla, ícones das batalhas travadas, em direção ao Terreiro de Jesus, no Centro Histórico.

O aposentado Gildásio Fagundes participa dos festejos há mais de 50 anos. “Para mim é uma honra, eu faço questão de vir todos os anos. Hoje eu trouxe o meu neto, porque é muito importante que os mais novos conheçam essa história de batalhas que deram a possibilidade para que nosso povo pudesse ser livre”.

Notícias Relacionadas

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *