Exame pré-natal não invasivo identifica alterações genéticas no feto

Teste identifica Síndrome de Down, entre outras alterações, possui precisão superior a 99% e pode ser feito a partir de 10 semanas de gravidez (Foto: Divulgação)

A Diagnoson a+ amplia seu portfólio de exames e coloca em rotina o exame pré-natal não invasivo (NIPT), voltado para determinar o risco de alterações genéticas no feto (trissomias fetais) a partir de 10 semanas de gestação. O teste, realizado por meio de amostra de sangue, é capaz de identificar 99,5% dos casos de Síndrome de Down, bem como outras alterações menos conhecidas, como as síndromes de Edwards, Patau, Turner, Klinefelter e Triplo x. Em Salvador, a clínica também disponibiliza o exame por meio de seu serviço de coleta domiciliar em Salvador, com isenção da taxa de deslocamento.

O diagnóstico é feito com base no DNA principalmente da placenta a partir de amostra de sangue da mãe, coletada sem a necessidade de preparo prévio. A metodologia inclui uma opção de análise de cromossomos X e Y, que fornece informação sobre alterações numéricas dos cromossomos sexuais e o sexo fetal. Devido ao seu alto grau de assertividade, o exame reduz a necessidade de realização de outros testes invasivos, como biópsia de vilo corial e amniocentese, realizados a partir da amostra da placenta e de punção do líquido amniótico respectivamente, que podem trazer risco de aborto.

Por ser um teste de alta sensibilidade, que não traz riscos à gestão, e que contribui para diminuir a ansiedade da gestante, o NIPT pode ser indicado para qualquer cliente grávida, inclusive para gestações gemelares ou gestações oriundas de fertilização in vitro. Além disso, pela alta acuracidade ao determinar o risco de alterações genéticas no feto durante a gravidez, o exame também é indicado para gestantes que apresentam alterações nos exames ultrassonográfico ou translucência nucal, mulheres com mais de 35 anos ou que tenham histórico familiar de alteração cromossômica.

Notícias Relacionadas