970×90

Boicote até no governo impede privatizar o Mané

Estádio Mané Garrincha é um elefante branco (Foto: Governo federal/Divulgação)

CLÁUDIO HUMBERTO

Especialista em criar dificuldades, o Tribunal de Contas do DF esperou o dia da entrega das propostas para suspender a licitação cujo edital ele próprio aprovou, para o projeto destinado a ressuscitar o estádio Mané Garrincha, de Brasília, hoje um elefante branco e morto. A ideia é oferecer à empresa que assumir a gestão do estádio a oportunidade de explorar a área de lazer no entorno do complexo esportivo de Brasília.

SETOR DE DIVERSÕES
No projeto da estatal Terracap tem teatro, cinemas, restaurantes, lojas, centro de medicina esportiva etc. Tudo isso sem usar dinheiro público.

MODELO DE NEGÓCIO
A gestão privada do estádio Mané Garrincha prevê a criação de aluguel para o governo e parte do lucro dos negócios.

QUEM MANDA
O governador aprovou, mas um sub da Secretaria de Gestão de Territórios, Vicente Silva, pode mais: segurou o projeto por um ano. (Coluna de Cláudio Humberto. Clique AQUI e leia mais)

Notícias Relacionadas

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *