Extintor de incêndio mal produzido pode trazer graves consequências

Pó químico e água. São esses os dois elementos usados em extintores de incêndio. Em todos os estabelecimentos, mesmo naqueles que contam com sistema de chuveiro automático, que é acionado assim que detectada temperatura elevada, é obrigatória a existência de pelo menos um extintor de incêndio.

É importante ainda verificar a validade da recarga e a validade do teste de pressão do casco (Foto: Divulgação)

Para fabricação e recarga de extintores de incêndio no Brasil, é necessário que a empresa possua registro no Inmetro. Em relação ao total de empresas com o registro no país, o sudeste possui o maior número absoluto de cancelamentos, com 41% das empresas, seguidas do sul com 24% e do nordeste com 12%. Considerando o pouco tempo transcorrido desde o início dos registros (2006), o número relativo de empresas com o registro cancelado é muito expressivo, sem contar as empresas com o registro suspenso ou vencido, cerca de 4% do total de empresas já registradas. (Dados de 2012 do Inmetro)

Ao escolher o fornecedor para equipar sua empresa ou indústria é necessário se certificar que o mesmo possui registro ativo no Inmetro e pode prestar o serviço de maneira segura. Como todo equipamento de segurança, a produção de extintores de incêndio requer cuidados especiais, tendo em vista que podem colocar nossas vidas em risco.

Todos os extintores devem obedecer a rigorosos controles de produção. Para os extintores de pó químico, o nível de exigência é ainda mais acentuado, pois são indicados nos casos de incêndios por líquidos inflamáveis e em casos de instalações elétricas ou equipamentos eletrônicos.

Nele o controle de temperatura e umidade são essenciais, pois se não forem realizados de maneira correta, pode ocasionar empedramento do material e quando precisar ser utilizado não agirá de forma eficaz. A temperatura deve oscilar entre 18ºC e 30ºC, e a umidade relativa do ar deve girar em torno de 55%. Essa exigência é feita pela Portaria do Inmetro 005/2011, que estabelece e regulamenta os serviços de inspeção técnica de manutenção de extintores.

“Antes de comprar ou fazer uma recarga de um extintor, verifique no Inmetro ou no corpo de bombeiros de sua região se a empresa é cadastrada e se tem autorização para fazer o trabalho de acordo com os critérios estabelecidos. É importante ainda verificar a validade da recarga e a validade do teste de pressão do casco.” alerta Dirceu Gonçalves, do Corpo de Bombeiros do Município de Itatiba.

Grandes aliados na eliminação da umidade, os Desumidificadores da Linha Desidrat da Thermomatic disponibilizam à indústria de extintores uma gama de produtos que certamente contribuem para melhor eficiência e qualidade dos produtos.

Notícias Relacionadas

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *