Agricultura familiar no oeste da Bahia será beneficiada com estudo sobre potencial hídrico

A incorporação da irrigação na agricultura familiar garante não apenas o aumento da produtividade e o desenvolvimento socioeconômico, como também contribui para a redução dos riscos climáticos. (Foto: Ascom/Aiba)

Ao contrário do que se pensa, os sistemas de irrigação não são utilizados apenas pelos grandes empreendimentos agrícolas. Essa prática também é comum na agricultura familiar e pode ser a chave pra aumentar a produtividade e a rentabilidade do pequeno produtor. Alguns países da África têm obtido êxito utilizando técnicas de gestão e irrigação compartilhada. Os exemplos de sucesso foram apresentados aos produtores rurais baianos durante o ‘I Seminário Internacional Sobre Gestão dos Recursos Hídricos’, que aconteceu no início do mês, na sede da Aiba, em Barreiras.

Quem trouxe essa experiência inovadora foram os pesquisadores do Institute Water For Food da Universidade do Nebraska, nos EUA, que acompanham os projetos em terreno africano. O grupo, em parceria com a Universidade Federal de Viçosa (UFV), Minhas Gerais, também é responsável pela pesquisa científica que estuda o potencial hídrico do oeste da Bahia. O estudo visa garantir a segurança hídrica e alimentar, proporcionando aos pequenos, médios e grandes produtores o direito de produzir mais com menos impacto ambiental, através de uma irrigação eficiente.

De acordo com o professor da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e pesquisador visitante do Institute Water for Food, Aziz Galvão, que integra a equipe de estudo, a incorporação da irrigação na agricultura familiar garante não apenas o aumento da produtividade e o desenvolvimento socioeconômico, como também contribui para a redução dos riscos climáticos.

“Mesmo ocupando somente 20% da área, a agricultura irrigada contribui com 40% da produção e 50% da renda da agricultura mundial. Sem a alta produtividade da agricultura irrigada seriam necessários 500 milhões de hectares adicionais para manter a produção atual de alimentos”, explica.

Ele manifestou interesse em desenvolver ações que beneficiem pequenos produtores do Vale. O intuito é proporcionar o desenvolvimento sustentável e integrado, através do aprimoramento de técnicas de cultivo, até o planejamento e comercialização dos produtos no mercado regional, com o objetivo de fomentar a inclusão socioambiental entre os pequenos produtores e fortalecer toda cadeia produtiva.

Em recente visita à região, os pesquisadores estiveram na Fazenda Modelo – uma espécie de “laboratório” voltada para a educação e formação de jovens aprendizes que irão trabalhar na área rural – e conversaram com pequenos produtores do perímetro irrigado Barreiras Norte sobre as potencialidades e limitações da atividade agrícola no local.

Notícias Relacionadas