Delfim Netto é alvo de busca e apreensão na 49ª fase da Lava Jato

Delfim é suspeito de receber 10% dos valores que as empresas teriam pago para serem beneficiados pelo contrato. Os outros 90% seriam divididos entre PMDB e PT. (Foto: Reprodução/Youtube)

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (9) a Operação Buona Fortuna, na 49ª fase da Lava Jato. Estão sendo cumpridos nove mandados de busca e apreensão nos estados do Paraná e de São Paulo – quatro de busca e apreensão em Curitiba, um de busca e apreensão no Guarujá (SP), um de busca e apreensão em Jundiaí (SP) e três de busca e apreensão em São Paulo.

Um dos alvos de busca e apreensão da Polícia Federal (PF) é a casa de Antônio Delfim Netto, ex-ministro da Fazenda, da Agricultura e do Planejamento e ex-deputado federal.

O nome de Delfim Netto apareceu na delação de Flário Barra, ex-executivo da Andrade Gutierrez. O delator afirmou ter pago R$ 15 milhões ao político. Nesta sexta, o Ministério Público Federal (MPF) relatou ter rastreado valores superiores a R$ 4 milhões.

As investigações feitas até agora identificaram práticas semelhantes às de outras fases da Operação Lava Jato, que consistiam no pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos e políticos por parte de consórcio de empreiteiras diretamente interessado nos contratos de construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte.

Os mandados judiciais foram expedidos pelo juízo titular da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Uma entrevista coletiva, com maiores esclarecimentos sobre a operação, será dada às 10h, no auditório da PF na capital paranaense, por representantes da Polícia Federal, do Ministério Público e da Receita Federal.

Agência Brasil
GloboNews e
Informações da PF

Notícias Relacionadas