Marcell Moraes defende multa pesada à CCR Metrô por crime ambiental

Ação da CCR Metrô: 11,2 mil metros quadrados de bambuzal e outros tipos de vegetação sacrificados.

Após a divulgação de imagens aéreas da região do Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães pela Secretaria de Desenvolvimento e Urbanismo de Salvador (Sedur), que revela a supressão de 11,2 mil metros quadrados de bambuzal e outros tipos de vegetação de forma irregular pela concessionária CCR, o deputado estadual Marcell Moraes (PV) exigiu que a empresa responsável pelas obras do metrô seja multada exemplarmente por crime ambiental.

Para o parlamentar, além de ser obrigada a realizar o replantio na área degrada, a CCR deverá ser punida exemplarmente com multa milionária pelo ato irreparável conta o meio ambiente e patrimônio natural soteropolitano.

“É inadmissível que uma empresa entre em nossa cidade e sem permissão alguma de nenhum órgão estatal, destrua um dos maiores cartões postais naturais de Salvador. É uma afronta contra os baianos, turistas e todos aqueles que amam nossa cidade. É preciso que haja uma atitude energética por parte do Ministério Público e demais entidades reguladoras para que essa CCR receba uma multa exemplar. Eles não se importam com os danos morais e ambientais que estão causando porque só pensam nos cifrões que vão ganhar. Então é preciso que eles sintam no bolso através de aplicação de uma multa milionária para evitar que esses excessos voltem a se repetir na Bahia”, afirmou o deputado.

As obras do metrô na região do Aeroporto encontram-se embragadas até que a CCR solicite à Prefeitura o licenciamento para continuidade da empreitada. Na manhã desta quinta-feira (25), durante a inauguração da Unidade de Saúde da Família (USF) Recanto da Lagoa II, no bairro da Fazenda Coutos, o prefeito ACM Neto afirmou que a CCR terá que pagar uma multa, bem como, fazer uma proposta formal para recomposição da vegetação do bambuzal.

Notícias Relacionadas