Oposição questiona assinatura de protocolo para duplicação de rodovia sem projeto

Um dia após o governo do estado promover o ato de assinatura que autoriza a duplicação da BR 415, que liga os municípios de Ilhéus e Itabuna, na região cacaueira, a conclusão é de que ainda não foi aprovado o projeto executivo para a obra, que o governador Rui Costa (PT) prometeu iniciar em 90 dias. Além disso, não estão previstos recursos para a intervenção no orçamento de 2018. Diante dessas lacunas, a Bancada de Oposição questiona a assinatura do protocolo de intenções para uma obra ainda com pendências.

Deputado estadual  Hildécio Meireles (PMDB)
Deputado estadual Hildécio Meireles (PMDB)

O líder da Bancada, deputado Leur Lomanto Jr. (PMDB), disse esperar que o governo não tenha usado apenas do artifício de lançar obras, às vésperas do ano eleitoral. “Que não seja mais uma promessa eleitoreira, como essa intervenção se resumiu nesses últimos dez anos do governo”, afirmou, destacando que a Oposição cumpre dessa forma o seu papel de fiscalizar para que os pleitos da população sejam atendidos.

O líder lembrou que o DNIT autorizou o governo do estado a executar a obra, sendo os recursos provenientes de um convênio assinado com o Ministério dos Transportes em 2014, no valor de R$ 108 milhões, mas o projeto executivo ainda não foi reconhecido. O deputado Adolfo Viana (PSDB), alertou para o fato de o governador lançar uma obra que mais uma vez não sabe se vai tirar do papel, como fez com a Ponte Salvador -Itaparica e com o Centro de Convenções, fechado há mais de um ano. “Esperamos que dessa vez seja cumprida”, frisou.

Em pronunciamento, o deputado Hildécio Meireles (PMDB) recordou que o ex-governador Jaques Wagner (PT) também autorizou em setembro de 2014, a duplicação da BR-415 com a presença do então ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos.

“Anunciaram a época que a licitação seria finalizada em 45 dias e a expectativa era que a obra fosse entregue em dois anos. Agora ludibriam os baianos ao dizerem que a obra será iniciada em 90 dias, quando na verdade já sabem que não existem recursos para isso, já que o governo do PT quebrou o país. Fazem isso para depois colocarem a culpa no governo federal e tentarem atingir o prefeito ACM Neto de quem estão morrendo de medo. Esse é mais um jogo de encenação do governo Rui Costa”, criticou.

Notícias Relacionadas