Quadrilha especializada em explosão de bancos é desarticulada em Salvador

Luís Henrique Santos Miranda,  Diego de Jesus Monte Alegre Vieira e Everson Lopes Santos foram presosno centro de Salvador  por equipes da Operação Apolo da PM.
Luís Henrique Santos Miranda, Diego de Jesus Monte Alegre Vieira e Everson Lopes Santos foram presosno centro de Salvador por equipes da Operação Apolo da PM.

Luís Henrique Santos Miranda, foragido da Justiça desde janeiro de 2015 e acusado de diversos homicídios na região do Engenho Velho da Federação, Diego de Jesus Monte Alegre Vieira e Everson Lopes Santos foram presos na tarde de ontem (4), na região central de Salvador por equipes da Operação Apolo da PM. Eles são suspeitos de envolvimento em explosões de caixas eletrônicos no interior do estado.

Luís Henrique mais conhecido como ‘Nino Diabo’, foi o primeiro a ser flagrado, nas imediações do Shopping Center Lapa, com balinhas de maconha prontas para a venda. Um comparsa dele, mais conhecido como ‘Léo’, conseguiu fugir, mas a polícia conseguiu chegar em um imóvel utilizado pelo criminoso. No local foram encontrados uma carabina de repetição, calibre 38 e dois caqueiros com pés de maconha.

Nino Diabo contou que agia em conjunto com Diego, mais conhecido pelo apelido de ‘Topete’, morador dos Barris. As viaturas deslocaram para o local indicado e conseguiram flagrar Diego em plena atividade do tráfico, utilizando um carro, modelo Fox. No interior do veículo foi localizado um tablete de maconha. Ao perceber a abordagem da polícia, alguns traficantes fugiram, mas Everson Lopes foi alcançado. Com ele foi encontrado outro tablete de maconha, pesando aproximadamente meio quilo.

Ao serem questionados sobre os materiais apreendidos, Diego falou que havia conduzido maconha e explosivos para uma casa no bairro do Tororó. No imóvel as guarnições apreenderam mais seis tabletes de maconha, pesando um quilo cada, além de uma mochila contendo três artefatos explosivos, 16 detonadores, três pedaços de estopim de aproximadamente 20 centímetros, três máscaras de proteção contra gases, três pares de luvas, três máscaras tipo balaclava, três lanternas de cabeça, duas balanças de precisão, três óculos de proteção, quatro cartuchos calibre 38, um aparelho celular Samsung e um aparelho celular LG.

Segundo o comandante da Operação Apolo, major André Borges, os criminosos foram pegos através de uma ronda rotineira e um foi entregando o outro. “Eles falaram que os materiais serviriam para explosão de caixas eletrônicos em cidades do interior do estado”.

Os materiais explosivos encontrados foram encaminhados para o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da PM, para expedição de laudo técnico e destruição dos mesmos. Os criminosos foram levados para o Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco).

Notícias Relacionadas