Reitor da UFSC é um dos presos na Operação Ouvidos Moucos da PF

Luiz Carlos Cancellier de Olivo foi preso hoje pela Polícia Federal (Foto: Reprodução/Facebook)
Luiz Carlos Cancellier de Olivo foi preso hoje pela Polícia Federal (Foto: Reprodução/Facebook)

Aécio Amado
Agência Brasil

O reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Luiz Carlos Cancellier de Olivo, é uma das sete pessoas presas pela Operação Ouvidos Moucos da Polícia Federal (PF), em cumprimento a mandados judiciais expedidos pela 1ª Vara da Justiça Federal em Santa Catarina. A operação foi deflagrada hoje (14) para desarticular uma organização criminosa que desviava recursos destinados a cursos da Educação a Distância da UFSC.

A UFSC, por meio de nota, informou que a instituição foi surpreendida com a prisão do reitor esta manhã. “Em razão da operação da Polícia Federal, executada na manhã desta quinta-feira, 14 de setembro, a Administração Central da UFSC manifesta que foi tomada por absoluta surpresa com a condução do reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, que no momento está acompanhado pelo Secretário de Aperfeiçoamento Institucional, Luiz Henrique Cademartori, na Superintendência da PF em Florianópolis”.

Saiba Mais
PF faz operação para investigar desvios de recursos na UFSC
A nota de ainda que a vice-reitora, Alacoque Lorenzini Erdmann, está em missão no exterior e, por isso, o pró-reitor Rogério Cid Bastos assumiu interinamente a reitoria. A UFSC ressalta que a administração central da universidade tinha conhecimento dos procedimentos de apuração, conduzidos pela Corregedoria-Geral da UFSC, sobre supostas irregularidades ocorridas em projetos executados desde 2006 e que vinha agindo com “transparência e colaboração” para a apuração dos fatos.

“Sempre mantivemos a postura de transparência e colaboração, no sentido de permitir a devida apuração de quaisquer fatos de modo a atender as melhores práticas de gestão. Por fim, aguardamos mais informações sobre a operação da PF para apresentar à comunidade universitária e à sociedade os esclarecimentos devidos”, conclui a nota da UFSC.

A Operação Ouvidos Moucos, deflagrada PF em conjunto com Controladoria Geral da União e Tribunal de Contas da União, está executando sete mandados de prisão temporária, cinco de condução coercitiva e 16 de busca e apreensão, em endereços em Florianópolis, Itapema (SC) e Brasília. A operação policial tem como foco repasses que totalizam cerca de R$ 80 milhões.

“As investigações começaram a partir de suspeitas de desvio no uso de recursos públicos em cursos de Educação a Distância oferecidos pelo programa Universidade Aberta do Brasil (UAB) na UFSC”, diz a nota divulgada pela PF. Um dos alvos da ação dos policiais é um depósito de documentos ainda não analisados pelos órgãos de fiscalização localizado na região norte de Florianópolis, distante do campus da universidade.

De acordo com a PF, o nome da operação, Ouvidos Moucos, é uma referência à desobediência reiterada da administração da universidade aos pedidos e recomendações dos órgãos de fiscalização e controle.

Notícias Relacionadas