Aleluia defende projetos da Bahia em viagem com Temer à China

Aleluia integra a comitiva de Michel Temer na viagem à China.
Aleluia integra a comitiva de Michel Temer na viagem à China.

O deputado federal José Carlos Aleluia acompanha o presidente Michel Temer em viagem à China e não está perdendo a oportunidade de defender os interesses da Bahia e do Nordeste. Em conversas com o presidente, o parlamentar baiano sugeriu que, na restruturação do setor elétrico com a privatização da Eletrobras, seja prevista a destinação de parte significativa das receitas das sete usinas hidrelétricas do São Francisco para a revitalização do rio e o desenvolvimento do vale.

Bem recebida pelo presidente que demonstrou sensibilidade com a situação calamitosa do Velho Chico, a proposta consiste em estabelecer para as futuras concessionárias dessas usinas pertencentes à União a obrigação de transferir recursos para a revitalização do rio durante os 30 anos de concessão. “A medida possibilitará a injeção perene de recursos em longo prazo para as necessárias ações à revitalização do rio”.

Confiante na viabilidade do que propôs, Aleluia afirmou: “Temer tem a oportunidade de escrever seu nome na história, pois, desde Juscelino com a criação da Sudene, nenhum outro presidente tomou uma medida tão importante para o Nordeste. Precisamos salvar o Rio São Francisco”.

O deputado baiano estava ao lado do presidente e do ministro dos Transportes, Maurício Quintella, em reunião com o CEO da Eurasian Mining Group, controladora da Bahia Mineração (Bamin), Alexander Mashkevich, no Cazaquistão.

Na ocasião, o empresário manifestou o interesse de participar do processo de privatização para a conclusão da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (Fiol) e do Porto Sul. O objetivo é construir uma estrutura logística eficiente para escoar a produção mineral de Caetité e os grãos do Oeste baiano. A estimativa de investimento é da ordem de R$ 1,4 bilhão.

Nesta quinta-feira (31), a comitiva presidencial chegou à China. Em Pequim, o presidente Temer vai assinar protocolo com a Eurasian Mining e um grupo chinês para formalizar a formação do consórcio interessado em participar da conclusão da Fiol e do Porto Sul.

Notícias Relacionadas