“Tratoraço” contra os impostos une agricultores em protesto no oeste da Bahia

No protesto, as rodovias foram interditadas com tratores. Na BR-242, o congestionamento foi de aproximadamente 10 km. (Foto: Aiba/Divulgação)
No protesto, as rodovias foram interditadas com tratores. Na BR-242, o congestionamento foi de aproximadamente 10 km. (Foto: Aiba/Divulgação)

Mais uma vez, em menos de uma semana, os agricultores do oeste da Bahia, juntamente com os empresários e as entidades do agronegócio da região, fecharam a BR-242, em Luís Eduardo Magalhães, e a BA-225 em Formosa do Rio Preto, em protesto contra os impostos abusivos que atingem o setor, principalmente o Funrural. Durante a manhã desta terça-feira (15), as rodovias foram interditadas com tratores, e na BR-242, o congestionamento foi de aproximadamente 10 km. A manifestação foi pacífica nas duas regiões. Em Luís Eduardo, o protesto foi encerrado por volta das 11h e o trânsito liberado ainda pela manhã.

Segundo o vice-presidente da Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia (Aiba), Luiz Pradella, ”a mobilização de hoje tem como objetivo sensibilizar o governo, principalmente os senadores, que votam nesta quarta-feira (16), a PRS n.º 13/2017 na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal”, destacou Pradella. A PRS (Projeto de Resolução do Senado) 13/2017 é de extrema importância para os produtores rurais, pois suspende a execução de dispositivos da Lei Orgânica da Seguridade Social (Lei 8.212/1991 – LOAS), regulamentadores da cobrança do Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural).

O agricultor, Carlos Winter, da Vila Panambi (região agrícola localizada na divisa da Bahia com o Tocantins), viajou mais de 250 km para participar da manifestação. Para ele, a classe precisa lutar e se unir contra as cobranças injustas que o governo federal está propondo. “Ficarei em Luís Eduardo até o fim do protesto e aguardarei junto com os agricultores o resultado da votação de amanhã (PRS 13/2017). Se for preciso, ficarei mais alguns dias para apoiar o movimento”, disse o produtor.

A mesma reinvindicação aconteceu na Coaceral (região agrícola localizada em Formosa do Rio Preto), com o “tratoraço” na manhã desta terça. O presidente da Associação dos Produtores Rurais da Chapada das Mangabeiras (Aprochama), entidade que representa a região, destacou que o intuito é fortalecer o movimento no oeste da Bahia. “Queremos que a nossa indignação contra os altos impostos cobrados, principalmente para o setor agrícola, chegue à Brasília e pressione os parlamentares”, disse Zago. Além da Aiba e da Aprochama, também participou do ato o Sindicato dos Produtores Rurais de Luís Eduardo Magalhães (SPRLEM).

Notícias Relacionadas