Bancar termoelétricas a óleo prejudica o Brasil

CLÁUDIO HUMBERTO

Usinas termoelétricas gerando energia é invenção do governo FHC, para evitar apagão como o de 2001, mas tinha data para acabar: 2011. Poluidoras e de custo operacional elevado, são a forma mais antiquada de geração. A “bandeira vermelha”, que entrou em vigor este mês, é imposta aos brasileiros, com aumento da conta de luz, para sustentá-las. Faturam R$15,4 bilhões ao ano e, com tanto dinheiro, adquiriram sobrevida. E “conquistam” ministros de Minas e Energia para a causa.

Além de caras e poluidoras, uso das usinas devia acabaer em 2011. (Foto: Reprodução/Diário do Poder)
Além de caras e poluidoras, uso das usinas devia acabaer em 2011. (Foto: Reprodução/Diário do Poder)

NADA SOBRA
Gastando tanto em termoelétricas, não sobra dinheiro e nem interesse do governo para investir em energia limpa e renovável, eólica, solar etc.

INIMIGA Nº 1
Dona de metade das termoelétricas a óleo, a Petrobras inviabiliza as demais opções de geração de energia, mantendo o Brasil no atraso.

EXEMPLO CHINÊS
O Brasil, de sol abundante, gera 100 megawatts em energia solar, enquanto a China, onde quase o sol não aparece, produz 80 gigawatts.

MANOBRA ESPERTA
Além de encher as burras do setor privado, termoelétricas financiam o rombo na Petrobras, que com elas fatura R$8 bilhões por ano. (Coluna de Cláudio Humberto. Clique AQUI e leia mais).

Notícias Relacionadas