Leur Lomanto Jr. culpa “miopia” do governo baiano pela retração do turismo

A notícia de que Pernambuco se tornou o estado de maior destaque na movimentação de passageiros, entre os aeroportos das principais capitais do Nordeste, com liderança no ranking regional, chamou a atenção do líder da Oposição na Assembleia Legislativa da Bahia, deputado Leur Lomanto Jr., para a queda do estado dentro desse cenário.

Para o líder da oposição Leur Lomanto Jr., a Bahia perde em número de passageiros para Pernambuco porque o  governo estadual fracassou na falta de incentivos ao turismo.
Para o líder da oposição Leur Lomanto Jr., a Bahia perde em número de passageiros para Pernambuco porque o governo estadual fracassou na falta de incentivos ao turismo.

Segundo o deputado, o governo Rui Costa (PT) não tem investido nas estratégias de atração para o turismo na Bahia, consequentemente o estado teve uma variação negativa de -1,5% no setor, no último período, conforme dados do IBGE. Um dos equívocos, observou, foi a demora na redução da alíquota de ICMS para o querosene de aviação, o que condicionaria a ampliação do número de voos – iniciativa antecipada pelo estado vizinho.

”O governo baiano só provocou esse estímulo no último mês de maio, quando os outros já haviam adiantado o incentivo. Conforme dados da Infraero, Pernambuco foi o estado que mais cresceu na região Nordeste no número de passageiros que circulam pelo aeroporto”, sustentou Leur.

No que diz respeito à quantidade de destinos operados em Pernambuco, existem 32 destinos, enquanto o Aeroporto Internacional de Salvador possui apenas 24.

“Esses dados revelam a miopia do governo da Bahia, em relação ao turismo. Está nítida a falta de priorização em investimentos nesse setor que é um dos mais importantes para o dinamismo da economia do nosso estado. É grave a falta de perspectiva de melhorias”, criticou o líder da oposição.

O deputado cita a lacuna para o turismo de negócios e de eventos com o fechamento do Centro de Convenções, que passou por um desabamento ano passado, após uma reforma no valor de R$ 5,3 milhões. Consta que houve uma perda de mais de R$ 200 milhões por ano, em negócios com a falta de funcionamento do empreendimento, que já chegou a realizar mais de mil eventos por ano.

Um dos eventos que teria deixado de acontecer por conta do fechamento do espaço foi a Bienal do Livro da Bahia. Em sua última edição, realizada no ano de 2013, o Centro de Convenções, conseguiu reunir 375 expositores e um recorde de público de 175 mil visitantes. Lomanto Jr lembra que essas são queixas do próprio trade turístico da Bahia que destacam a crise no setor e a necessidade de construção do novo Centro de Convenções para que a Bahia volte a atrair mais eventos.

Notícias Relacionadas