SEI realiza pesquisa nos Restaurantes Populares de Salvador

A pesquisa  visa contribuir para um melhor planejamento da política de segurança alimentar?. (Foto: Levi Mendes/Divulgação/SEI)
A pesquisa visa contribuir para um melhor planejamento da política de segurança alimentar?. (Foto: Levi Mendes/Divulgação/SEI)

Os Restaurantes Populares, localizados nos bairros Liberdade e Comércio, em Salvador, são foco de uma pesquisa inédita realizada pela Superintendência de Estudos econômicos e Sociais da Bahia (SEI) em parceira com a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS). A coleta de dados e entrevistas da pesquisa, que aconteceu durante o mês de junho, entrevistou cerca de 1500 beneficiários dos dois restaurantes.

O objetivo da pesquisa é avaliar a percepção deste público em relação ao serviço prestado nos espaços e levantar aspectos importantes para uma melhor adequação das ações de segurança alimentar. Segundo Rose Pondé, superintendente de Inclusão e Segurança Alimentar da SJSHDS é a primeira vez que uma pesquisa mostrará corretamente o público-alvo. “Com 16 anos de existência, é a primeira vez que realizamos uma pesquisa técnica nos Restaurantes Populares, feitas com pessoas gabaritadas. Só com essa pesquisa que poderemos, além de identificar o retrato socioeconômico das pessoas que frequentam os restaurantes, também avaliar como estamos atendendo o público prioritário que são as pessoas em situação de vulnerabilidade e risco social”, analisa Rose.

Coordenado pelo Governo do Estado, por meio da SJDHDS, os Restaurantes Populares oferecem refeições elaboradas, em sua maioria, com produtos da agricultura familiar, nutricionalmente balanceadas, que contribuem para a redução de insegurança alimentar e nutricional. Os restaurantes populares servem, no total, 4.945 refeições por dia, de segunda a sexta-feira, no período entre 10h20 e 13h30.

A pesquisa – O planejamento amostral foi elaborado pela equipe de Estatísticos da Diretoria de Pesquisas da SEI e o questionário foi formulado por técnicos da SEI em parceria com a Superintendência de Inclusão e Segurança Alimentar (SISA), com perguntas a respeito de dados pessoais, sociais e econômicos como sexo, raça, escolaridade, situação de moradia, meio de sobrevivência e ocupação profissional, frequência diária em que se alimenta, frequência que vai ao restaurante, e pontos positivos e negativos quanto ao espaço físico, alimentação e funcionários.

Notícias Relacionadas