970×90

Andrade Gutierrez também tinha departamento de propina, diz jornal.

Ex-executivos da empreiteira Andrade Gutierrez relataram, em delação premiada à Operação Lava Jato, que a empresa mantinha uma espécie de ”tesouraria interna” dedicada ao pagamentos de propina e caixa dois para agentes públicos. Em reportagem publicada neste domingo (5), o jornal Folha de São Paulo informa ter apurado que funcionários da empresa apontaram a existência do esquema à força-tarefa do Rio e Curitiba em depoimentos recentes.

O dinheiro era gerado  por meio de contratos fictícios estabelecidos entre a Andrade Gutierrez e empresas de fachada de Assad.
O dinheiro era gerado por meio de contratos fictícios estabelecidos entre a Andrade Gutierrez e empresas de fachada de Assad.

Segundo um ex-executivo do grupo mineiro que passou a colaborar com a Justiça, a ”tesouraria” contava com dinheiro em espécie que era operado pelo doleiro Adir Assad, preso desde agosto do ano passado. A maior parte do dinheiro foi gerada, segundo os relatos às autoridades, por meio de contratos fictícios estabelecidos entre a Andrade Gutierrez e empresas de fachada de Assad.

Não é a primeira vez que uma empreiteira investigada na Lava Jato revela ter um esquema profissional de pagamento de propina e caixa dois dentro da empresa. O setor de operações estruturadas da Odebrecht, área dedicada ao pagamento de recursos ilícitos do grupo baiano, foi descoberto por investigadores e, posteriormente, seu funcionamento foi detalhado na delação premiada assinada pela empresa em dezembro do ano passado.

Notícias Relacionadas