Metade dos ministros de Temer é de enrolados

CLÁUDIO HUMBERTO

Dos 26 atuais ministros do presidente Michel Temer, 12 são réus, alvos de inquérito ou enrolados em algum escândalo. A acusação mais comum é a de improbidade administrativa, que atinge quatro deles: Eliseu Padilha (Casa Civil), Helder Barbalho (Integração), Gilberto Kassab (Ciência) e José Serra (Itamaraty). Os demais crimes envolvem corrupção, fraude de licitação, peculato e até falsidade ideológica.

Dos 26 atuais ministros do presidente Michel Temer, 12 são réus (Foto: Reprodução).
Dos 26 atuais ministros do presidente Michel Temer, 12 são réus (Foto: Reprodução).

LAVA JATO
Na delação, o ex-diretor da Odebrecht Cláudio Melo citou Moreira Franco e Bruno Araújo (Cidades). Outros citados já não são ministros.

CRIMES ANTIGOS
Atribuíram “peculato” a Raul Jungmann (Defesa), mas a acusação já prescreveu. Ricardo Barros (Saúde) é acusado de fraudar licitação.

MAIS ENROLADOS
Maurício Quintella (Transportes) até foi condenado por desvio de merenda, e Marx Beltrão (Turismo) responde por falsidade ideológica.

DECAÍDOS
A lista de enrolados não inclui os demitidos Romero Jucá, Henrique Alves, Geddel Lima, Fabiano Silveira, Fábio Medina e Marcelo Calero. (Coluna de Cláudio Humberto. Clique AQUI e leia mais).

Notícias Relacionadas