Polícia Federal abre inquérito para apurar queda de avião que matou Teori

Polícia Federal envia especialistas em acidentes aéreos para o litoral do Rio (Foto: Reprodução/Veja)
Polícia Federal envia especialistas em acidentes aéreos para o litoral do Rio (Foto: Reprodução/Veja)

A Polícia Federal abriu um inquérito para apurar as causas do acidente aéreo que matou o relator da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Teori Zavascki, de 68 anos. Um equipe de peritos da PF especializada em acidentes aeronáuticos foi enviada ao local do acidente, as proximidades da Ilha Rasa, em Paraty, litoral sul do Rio de Janeiro, segundo informa o portal Veja.com.

Além de Teori Zavascki, morreram na queda do avião, de prefixo PR-SOM, o dono do hotel Emiliano e da aeronave, Carlos Alberto Fernandes Filgueiras, de 69 anos, e o piloto Osmar Rodrigues, de 56 anos, conhecido como Mazinho. A empresa ainda não divulgou a lista completa de pessoas que estavam a bordo.

Após a queda do avião, delegados, juízes e procuradores usaram as redes sociais para cobrar uma investigação profunda do acidente. “Diante das altas responsabilidades a ele atribuídas, em especial a condução dos processos da Lava-Jato no STF, é imprescindível a investigação das circunstâncias nas quais ocorreu a queda do avião em que viajava”, disse o presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil, Roberto Veloso.

A aeronave de modelo King Air C90GT é da Beechcraft, fabricada em 2006. O avião é um turbohélice bimotor com capacidade total de oito pessoas, sendo sete passageiros. Os certificados estavam em dia, conforme registros da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC). O de aeronavegabilidade valia até 2022 e o de inspeção de manutenção, até abril deste ano.

A PF resolveu instaurar investigação depois que o delegado Márcio Anselmo, um dos principais investigadores da Lava-Jato, disse em rede social achar suspeito Zavascki ter morrido às vésperas da homologação da delação premiada de 77 executivos da Odebrecht, a mais bombástica até agora. “Esse ‘acidente’ deve ser investigado a fundo”, escreveu Anselmo, que foi repreendido por superiores pela declaração. Em seguida, ele disse que se tratava de uma opinião pessoal.

Notícias Relacionadas