Geddel mostra que já tinha pago R$ 1,9 milhão pelo apartamento do La Vue

No domingo, 27 de novembro, dia que encerrou a semana de seu calvário político, o ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima recebeu o jornal O Estado de S. Paulo em sua casa, no bairro do Chame-Chame, em Salvador, para, em suas palavras, encerrar suas declarações sobre as denúncias que lhe custaram o cargo.
Ele mostrou cheques em seu nome e de empresas que usam suas iniciais (GVL) e a de seus pais (MA) para reafirmar que investiu no apartamento 2301 do Edifício La Vue, na capital baiana.

Geddel quer  desfazer afirmações de que seria sócio oculto do empreendimento. (Foto:  André Coelho/O Globo/Reprodução)
Geddel quer desfazer afirmações de que seria sócio oculto do empreendimento. (Foto: André Coelho/O Globo/Reprodução)

Sua intenção é desfazer afirmações de que seria sócio oculto do empreendimento. O ex-ministro diz ter assinado a promessa de compra e venda do imóvel “em meados de 2014? e já ter pago R$ 1,9 milhão pelo apartamento – mais R$ 1 milhão seria pago em duas parcelas de R$ 500 mil, uma este ano e outra no final de 2017, na entrega das chaves. Apesar do investimento, seu nome e o das empresas citadas por ele não aparecem na ata da convenção do condomínio assinada em setembro de 2015.

Segundo Geddel, porque era uma promessa de compra e venda, ainda que o pagamento já tivesse sido efetuado. “A empresa de minha prima está lá na ata e ela desistiu da compra”, afirmou. O ex-ministro não permitiu que a reportagem tirasse cópias dos documentos que apresentará à Comissão de Ética da Presidência e ao MP. Também não autorizou qualquer registro da entrevista.

“Não vai fazer que nem o (Marcelo) Calero não, hein?”, brincou, citando o ex-ministro da Cultura, que afirma ter gravado conversas em que Geddel o teria pressionado a aprovar o empreendimento fora das regras do Iphan. O caso culminou com o pedido de demissão de Geddel na última sexta-feira, acompanhado de perto por jornalistas e manifestantes em frente ao prédio onde mora, na Bahia. Geddel diz não saber o que será feito do empreendimento após a suspensão das obras por decisão da Justiça.

Fonte: O Estado de São Paulo

Notícias Relacionadas