Brasil registra aumento de casos de sífilis; Bahia contabilizou 3.539 em 2015.

Desde o início do segundo semestre, o Ministério da Saúde vem realizando ações e campanhas em âmbito nacional para combater a sífilis. O órgão classificou a situação que o Brasil enfrenta como uma epidemia da doença. Segundo os dados recentes do boletim epidemiológico, nos últimos cinco anos foram aproximadamente 230 mil novos casos da doença. Só no ano passado (2015), foi registrado um aumento de 32% em relação ao ano anterior (2014).

O diagnóstico da sífilis é simples: teste rápido de sífilis, que está disponível no SUS. (Foto: Reprodução)
O diagnóstico da sífilis é simples: teste rápido de sífilis, que está disponível no SUS. (Foto: Reprodução)

Na Bahia, em 2015, a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia registrou 3.539 casos de sífilis – 1.121 em Salvador. De acordo com Fernando Romero, infectologista do Hapvida, um dos principais motivos que pode ter causado este aumento no número de casos é o descaso com o uso de preservativos pela população sexualmente ativa.

“Existe uma tendência entre as populações de diminuir o uso de preservativos por acreditar que as doenças sexualmente transmissíveis não vão atingi-los. Isso leva a encontros íntimos desprotegidos e disseminação de outras DSTs, não só de sífilis, como até o HIV”, afirma Romero. Causada pela bactéria Treponema Pallidum, a sífilis é considerada uma doença silenciosa por não apresentar sintomas graves em seus estágios iniciais. “Por isso, acredita-se que exista ainda muitos casos subnotificados, o que leva a uma estimativa maior de casos de sífilis do que conhecemos atualmente”, avalia o infectologista.

É preciso estar atento aos sintomas iniciais da doença. No início, a sífilis pode se manifestar com lesões ulceradas na região genital e na boca. Na segunda fase da doença, ela se apresenta com manchas avermelhadas pelo corpo. Já na terceira fase, a mais grave, a bactéria permanece dentro do organismo sem manifestar sintomas, entretanto, pode causar meningite ou problemas na artéria aorta, levando a graves problemas cardiovasculares. “Por isso a prevenção é o melhor mecanismo que a população deve tomar para evitar contaminar-se. Todos devem fazer triagem sorológica anual para cuidar da saúde e iniciar o tratamento adequado caso necessário”, destaca Romero. Logo que diagnosticada, a sífilis tem cura e o tratamento é realizado através de antibióticos à base de penicilina na sua forma cristalina, procaína ou benzatina.

Transmissão de mãe para filho – Em relação à sífilis congênita, que é transmitida da mãe para o bebê durante a gestação, os números praticamente triplicaram. Em 2010, a cada mil bebês nascidos, dois (média de 2,4) eram portadores de sífilis. Já em 2015, houve o aumento para seis (média de 6,5). “As grávidas têm que realizar o teste para sífilis durante o planejamento da gestação, assim como durante o pré-natal. Se apresentarem um resultado positivo, é preciso iniciar o tratamento imediatamente e convocar os parceiros sexuais para se tratar de forma concomitante”, destaca o infectologista.

Notícias Relacionadas