Dilma reafirma que não renuncia e promete “lutar para voltar ao governo”

A presidente Dilma Rousseff disse em entrevista exclusiva à BBC que seu vice, Michel Temer, não tem voto nem popularidade, e que o impeachment que está sendo processado contra ela visa levar pessoas sem legitimidade ao poder.

Dilma na entrevista ao correspondente da BBC Wyre Davies. (Foto: Reprodução/Vídeo da BBC)
Dilma na entrevista ao correspondente da BBC Wyre Davies. (Foto: Reprodução/Vídeo da BBC)

Em entrevista ao correspondente da BBC Wyre Davies, a petista voltou a afirmar que está sofrendo um golpe, nesse caso um golpe parlamentar em vez de militar, mas que igualmente usurpa o poder no Brasil.

“O que acontece num golpe parlamentar? Na prática, geralmente, (são feitos por) aqueles que não têm votos suficientes e, portanto, legitimidade suficiente, nem aprovação, nem popularidade suficientes”, afirmou.

Clique AQUI e assista ao vídeo da BBC com a entrevista de Dilma

Sobre um cenário cada vez mais provável de afastamento, a presidente disse que continuará lutando para voltar ao governo.

“O que nós iremos fazer é resistir, resistir e resistir. E lutar para quê? Para ganhar (o julgamento) no mérito e retornar ao governo”, disse, acrescentando que não pretende renunciar.

“Eu não temo porque eu não devo nada. E por isso eu sou extremamente incômoda, porque eu sou uma pessoa que seria melhor que renunciasse. Porque, se eu renuncio, a prova viva de que há um golpe, de que foi cometida uma injustiça, de que tem uma pessoa que está sendo vítima porque é inocente, desaparece. Não contem com isso porque eu não vou renunciar”, disse.

Questionada se o avanço do processo de impeachment se devia à sua baixa popularidade e à fraca articulação política no Congresso, a presidente respondeu que falta de apoio popular não serve para justificar a queda do governo no regime presidencialista.

Clique AQUI e leia a entrevista completa de Dilma Roussef à BBC Brasil

Notícias Relacionadas