Na reta final de Dilma, Ministério “raspa o tacho”

Leonardo Picciani (RJ)  é o ministro de fato da Saúde. (Foto: Agência Câmara)
Leonardo Picciani (RJ) é o ministro de fato da Saúde. (Foto: Agência Câmara)

CLÁUDIO HUMBERTO

A certeza da queda da presidente Dilma tem provocado verdadeira corrida, nos ministérios, para fechar contratos, antecipar licitações e precipitar despesas. No Ministério da Saúde, segundo servidores relataram a órgãos de controle, é “frenético” o ritmo de assinatura de contratos e antecipação até de gastos previstos apenas para o 2º semestre. Michel Temer poderá herdar um governo de cofres limpos.

RASPANDO O TACHO
A turma de Temer está de olho: até a Presidência da República tem comprometido contas do governo em contratos assinados às pressas.

MINISTRO PICCIANI
Não admira que o líder do PMDB na Câmara, Leonardo Picciani (RJ), tenha votado contra o impeachment. Ele é o ministro de fato da Saúde.

FIGURA DECORATIVA
O ministro é Marcelo Castro, mas todas as decisões administrativas e financeiras importantes, no Ministério da Saúde, são de Picciani. (Coluna de Cláudio Humberto. Clique AQUI e leia mais)

Notícias Relacionadas