Líder do PSDB abre ação na PGR contra Dilma por nomeação de Lula

O senador Cassio Cunha Lima (PSDB-PB) em sessão deliberativa extraordinária (Foto: Agência Senado)
O senador Cassio Cunha Lima (PSDB-PB) em sessão deliberativa extraordinária (Foto: Agência Senado)

O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), ingressou nesta segunda-feira junto à Procuradoria-Geral da República (PGR) com uma representação criminal contra a presidente Dilma Rousseff. O tucano alega que Dilma praticou crime de corrupção passiva privilegiada ao tentar nomear o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ocupar o cargo de ministro-chefe da Casa Civil.

Deputados se reúnem novamente na Câmara dos Deputados para conclusão dos trabalhos da Comissão do Impeachment
Relator da comissão rebate Cardozo sobre nulidade do relatório do impeachment

Cunha Lima cita, na ação, o artigo 317 do Código Penal, argumentando que “pela influência de terceiros, o ato de nomeação praticado pela presidente Dilma demonstra a nítida intenção de beneficiar o ex-presidente Lula”.

— Ela comete infração de seu dever funcional ao não observar e zelar pelos princípios constitucionais da moralidade, impessoalidade e de atentar contra o livre exercício do Poder Judiciário — disse Cunha Lima.

Em parecer divulgado semana passada, o procurador geral, Rodrigo Janot, concluiu que Dilma praticou atos de obstrução a Justiça ao tentar nomear Lula para livrá-lo do julgamento na primeira instância na Operação Lava-jato. No pedido, Cássio Cunha Lima requer que Rodrigo Janot também faça uma investigação policial com o objetivo de apurar a materialidade e a autoria dos fatos.

“Não restam dúvidas sobre a necessidade da presente representação e a apuração pela Procuradoria Geral da República diante da gravidade dos fatos e crimes praticados pela presidente da República Dilma Rousseff no conjunto de ações que culminaram na tentativa da dissimulada nomeação do ex-presidente Lula com objetivo escuso aos necessários para garantir a legalidade e legitimidade do ato”, diz o pedido.

Fonte: O Globo

Notícias Relacionadas