Chikungunya desencadeia atrite crônica após três anos em 60% dos casos

A Chikungunya (CKV) é uma das três doenças transmitidas atualmente no Brasil pelos mosquitos  Aedes aegypti e Aedes albopictus
A Chikungunya (CKV) é uma das três doenças transmitidas atualmente no Brasil pelos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus

Apesar da Dengue, a Zika e a Chikungunya (CKV) terem sintomas bem conhecidos pela população, o que muitas pessoas não sabem é a relação direta da Chikungunya com as doenças reumáticas, que podem ser agravadas, ou até mesmo induzidas, pelo vírus. Esse quadro é um grave problema de saúde pública nos locais da epidemia, mas cuja característica e evolução são pouco conhecidas.

A Bahia, que foi a segunda porta de entrada da Chikungunya no Brasil, é um dos estados mais afetados. As cidades de Feira de Santana, Riachão do Jacuipe, Lauro de Freitas e Salvador são os municípios que registram maior ocorrência.

“A CKV é uma virose que, ao penetrar nos seres humanos por meio da picada do mosquito Aedes, desencadeia a doença em cerca de 95% dos casos. Isso costuma ocorrer num prazo de dois a quatro dias. A doença se caracteriza por febre, lesões de pele, dores musculares, cefaleia, dor nas juntas, mal-estar e dor nas articulações. O mais preocupante, no entanto, é que uma parcela relevante destes indivíduos doentes evoluirá para o quadro de artrite, ou seja, inflamação de suas articulações. Nestes casos, elas ficam inchadas e extremamente doloridas, com dificuldade para andar, levantar os braços, subir escadas, pegar objetos e até mesmo dormir. Com esses sintomas, muitos indivíduos ficam sem trabalhar ou frequentar a escola”, explica o reumatologista da Diagnoson a+, Jozélio Freire de Carvalho.

Uma média de 88% a 100% das pessoas com CKV apresentarão quadro articular nas primeiras seis semanas de doença e isso vai reduzindo lentamente. Impressiona o dado de que 60% dessas pessoas poderão sofrer de artrite crônica após três anos da picada do mosquito.

Hoje, os consultórios dos reumatologistas estão recebendo cada vez mais doentes com a forma crônica da doença, que tem baixa resposta ao tratamento somente com analgésicos e anti-inflamatórios.

“Em muitos casos, é necessário o uso de corticoides e até mesmo imunomoduladores, sempre com acompanhamento médico de um reumatologista. Um estudo revelou que 63% dos pacientes têmdificuldade em levantar da cadeira após a Chikungunya, 55% em andar e pegar objetos, 53% não conseguem abrir uma garrafa e 37% relatam dificuldade para tomar banho diário”, ressalta o médico.

Notícias Relacionadas