Fase Acarajé da Lava Jato complica ainda mais defesa de Marcelo Odebrecht

Marcelo Odbrecht, presidente do Grupo Odbrecht, foi preso em junho do ano passado pela Operação Lava Jato. (Foto: Facebook/Reprodução)
Marcelo Odbrecht, presidente do Grupo Odbrecht, foi preso em junho do ano passado pela Operação Lava Jato. (Foto: Facebook/Reprodução)

Focada em pagamentos no exterior ao marqueteiro João Santana, a fase Acarajé da Lava Jato trouxe complicações adicionais às defesas de Marcelo Odebrecht e de executivos do conglomerado, presos desde o ano passado. No centro da acusação contra eles estão documentos bancários enviados pela Suíça que apontam a existência de uma rede de pagamentos de propinas por meio de empresas em paraísos fiscais.

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo desta terça-feira, assinada por Graciliano Rocha, duas destas empresas, a Klienfeld e a Constructora Del Sur, funcionaram como escala para o dinheiro que abasteceu contas secretas de altos dirigentes da Petrobras na Suíça e em Mônaco. Até agora os investigadores tinham indicações, mas nada que ligasse a Odebrecht diretamente a essas offshores.

A Polícia Federal achou em uma conta de e-mail usada por Fernando Migliaccio, outro executivo da empresa, planilha relacionando pagamento da Klienfeld a João Santana assim como comprovantes de transferências desta offshore e da Del Sur. Segundo a PF, estes documentos bancários foram escaneados em um escritório da Odebrecht e circularam por e-mail corporativo do grupo antes de cair no e-mail de Migliaccio. Procurada, Odebrecht não quis se pronunciar por não conhecer os termos dos inquéritos que originaram a operação.

Fonte: Folha de São Paulo

Notícias Relacionadas