Fernandão, ex-Internacional, morre em queda de helicóptero aos 36 anos.

Momento histórico: Fernandão ergue a taça da Libertadores 2006 (Foto: Inter/Divulgação)
Momento histórico: Fernandão ergue a taça da Libertadores 2006 (Foto: Inter/Divulgação)
Fernando Lúcio da Costa, o popular Fernandão, faleceu na madrugada deste sábado, por volta das 2 horas da manhã. O ex-atacante, de 36 anos, foi vítima de um acidente de helicóptero quando voava em direção a Goiânia, vindo de sua casa na cidade de Aruanã (GO), distante 315 quilômetros da capital do estado. Além do atleta, estavam na aeronave outras quatro pessoas: Edmílson de Sousa Leme (vereador de Palmeiras de Goiás), Bidó Antônio de Pádua, Lindomar (funcionário da fazenda) e o piloto, identificado como Milton Ananias. Nenhum deles sobreviveu.

De acordo com dados da Polícia Civil, o helicóptero, que partiu da fazenda de Fernandão, foi encontrado em um banco de areia, aproximadamente às 4 horas da manhã, às margens do Rio Araguaia. A área da tragédia dista 15 quilômetros do centro de Aruanã.

Natural de Goiânia, o atleta é cria do Goiás – de onde se transferiu para o futebol europeu em 2001, para defender o Olympique de Marselha e, depois, o Toulouse. Mas ele viveu a maior fase de sua carreira no Sul. Defendendo o Internacional, conquistou duas vezes o Campeonato Gaúcho, uma Copa Libertadores da América e uma Copa do Mundo de Clubes da FIFA em 2006, quando levantou o troféu do maior torneio interclubes do futebol. Pelo espírito de liderança, ostentou a braçadeira de capitão durante boa parte dos seus cinco anos com o manto colorado.

“Quero expressar a minha profunda tristeza pela morte trágica do ex-jogador do Goiás e do SC Internacional, Fernandão. Na FIFA, ele será especialmente lembrado pela brilhante temporada que fez no ano de 2006, como capitão do SC Internacional que se tornou campeão do mundo após conquistar a Copa do Mundo de Clubes da FIFA, no Japão”, lamentou o presidente da FIFA, Joseph S. Blatter, em carta de condolências enviada à Confederação Brasileira de Futebol neste sábado.

Torcedora declarada do Internacional, a presidenta Dilma Rousseff também se pronunciou sobre a morte do ex-centroavante e aproveitou para exaltar seu caráter. “Lamento muito a morte de Fernandão, ídolo do Internacional e de todos os amantes do futebol. Campeão mundial de clubes dentro de campo, Fernandão era fora de campo exemplo de caráter”, destacou a presidenta em sua conta do Twitter.

A primeira exibição de Fernandão pelo clube vermelho e branco de Porto Alegre ocorreu logo em um Gre-Nal, no dia 10 de julho de 2004, quando marcou o gol que selou a vitória do Colorado – por coincidência, o gol 1000 na história do clássico. Após defender o São Paulo na Copa Libertadores da América, Fernandão se aposentou ainda novo, em 2011, e rapidamente tornou-se dirigente do Inter, onde também foi treinador. Mestre de cerimônias da reabertura do Beira-Rio, o ex-atacante estava trabalhando no SporTV, como comentarista de futebol.

“O momento é de profundo pesar pela partida prematura do ídolo”, lamentou o clube gaúcho, em comunicado oficial. “Mas o que fica são lembranças gloriosas de um atacante que honrou a camisa do Internacional com seu espírito de liderança, sendo um dos jogadores mais importantes dos 105 anos do Clube”, trouxe o comunicado do Inter.

Notícias Relacionadas