Pancadaria da mídia atinge aprovação de Dilma, diz Berzoini

O governo tentará preservar a Petrobras de ataques político-eleitorais na CPI do Senado para evitar prejuízos econômicos à estatal, mas reconhece que o noticiário negativo contra a empresa e o governo já respingou na presidente Dilma Rousseff, como mostram pesquisas recentes, disse nesta terça-feira o ministro das Relações Institucionais, Ricardo Berzoini.

“Na verdade, com a pancadaria que a mídia tem promovido com relação à presidente Dilma e ao PT, se ela não caísse (nas pesquisas), seria talvez um milagre da natureza”, disse à Reuters Berzoini, que assumiu o cargo no início do mês com a missão de recuperar a desgastada relação do Executivo com sua ampla base aliada.

Apesar dos últimos registros de queda na aprovação de Dilma e de seu governo e da perda de terreno na corrida eleitoral, o ministro descartou mudança na estratégia para a reeleição da presidente.

“Nós vamos ter, no momento apropriado, que é a eleição, a contraposição de projetos… Agora nós não vamos ficar nós, do governo, fazendo movimentos eleitorais”, argumentou.

“A Dilma é favorita? Acho que ela é favorita sim. Mas não ganhou a eleição e vamos ter que remar muito para ganhar essa eleição”, disse o ministro.

Uma das preocupações de Berzoini nas primeiras semanas à frente da pasta é evitar que a CPI da Petrobras no Senado aprofunde a avaliação negativa do governo e da presidente. Para ele, investigações parlamentares em anos eleitorais são um risco adicional. “Eu trabalho com a ideia de que a CPI, em ano eleitoral, tem um risco muito grande de ser eleitoralizada completamente. Tanto no sentido político geral, quanto no sentido de ela não funcionar adequadamente”, afirmou. (Maria Carolina Marcello e Jefferson Ribeiro, Estadão)

Notícias Relacionadas