BNB ameaça tomar ferries “Ivete” e “Anna Nery” por falta de pagamento

DA REDAÇÃO DO JORNAL DA MÍDIA

Enquanto o prometido ferryboat “Zumbi” que o governo da Bahia comprou na Grécia não chega, os usuários da travessia Salvador-Ilha de Itaparica vão comendo o pão que o diabo amassou. A “Operação Páscoa” da Internacional Marítima, em parceria com a Agerba, foi um tormento para milhares de usuários, que enfrentaram filas de seis horas ou mais na ida e na volta da Ilha. Além dos seguidos adiamentos para a chegada do tão esperado “Zumbi”, o sistema poderá enfrentar outro sério problema em breve: o Banco do Nordeste do Brasil pode tomar os ferries “Ivete Sangalo” e “Anna Nery” por falta de pagamento das parcelas do financiamento.

Luiz Carlos Castanhede (esquerda), dono da Internacional Marítima, já tem queixas do governo.  Eduardo Pessoa (direita), diretor-executivo da Agerba, não atua no sentido de exigir da concessionária um serviço à altura. E a população segue pagando a conta do descaso de um e de outro.
Luiz Carlos Castanhede (esquerda), dono da Internacional Marítima, já tem queixas do governo. Eduardo Pessoa (direita), diretor-executivo da Agerba, não atua no sentido de exigir da concessionária um serviço à altura. E a população segue pagando a conta do descaso de um e de outro.

Esses dois navios, que são os mais novos da frota, custaram cerca de R$ 70 milhões. Eles foram construídos pela TWB, antiga concessionária, e financiados pelo Banco do Nordeste. Como a TWB perdeu a concessão, deixou naturalmente de pagar as parcelas do financiamento. E a Internacional Marítima, que veio do Maranhão para a Bahia, parece que não quer quitar a dívida, por entender que não é dela, apesar de faturar em cima das embarcações. A Agerba nada divulga sobre o assunto. Mas que ninguém se surpreenda se o Governo da Bahia, sempre muito bondoso com as concessionárias que coloca à frente do sistema, assuma mais uma vez tudo com o dinheiro do cidadão.

Quem fez a denúncia do debito e cobrança do Banco Nordeste referentes aos ferries “Ivete Sangalo” e “Anna Nery” foi nada mais nada menos que o dono da Internacional Marítima, Luiz Carlos Castanhede. Em encontro com representantes da comunidade da Ilha de Itaparica, Castanhede destilou reclamações contra a lentidão do governo em resolver várias pendências do Sistema Ferryboat, que, no sem entender, não são de sua empresa porque não fazem parte do contrato de concessão.

O "Ivete Sangalo" e o "Anna Nery" custaram R$ 70 milhões. O financiamento não está sendo pago e o BNB cobra dívida e ameaça tomar os nav ios.
O “Ivete Sangalo” e o “Anna Nery” custaram R$ 70 milhões. O financiamento não está sendo pago. O BNB cobra dívida e ameaça tomar os navios.
A Mesma História da TWB– É a história que se repete no ferryboat: a TWB começou sua briga com o governo justamente assim – reclamendo da falta de cumprimento pelo Estado de obrigações contratuais. A Internacional vai pelo mesmo caminho, enquanto que o governo, através da Agerba, também se queixa da falta de gerenciamento melhor do sistema pela Internacional.

No encontro com representantes da Ilha de Itaparica, Castanhede disse sem pedir reserva que nem o contrato de concessão a Internacional Marítima assinou ainda com o Estado – a empresa venceu a concorrência em março e só ela participou do processo, ganhando o direito de explorar o sistema por 25 anos.

”A jogada entre a atual concessionária e o governo é a mesma de antes, um empurra a culpa para o outro por aquilo que deixou de fazer. Decidiram recentemente formar uma comissão com diversas entidades que representam os usuários do sistema ferryboat. A Agerba recebe o grupo em um horário e a Internacional em outro. A Agerba reclama que falta gerência à concessionária e esta por sua vez diz que o governo ainda não cumpriu com o seu papel, citando inclusive a reforma dos atracadouros e construção dos novos atracadouros para receber o navio “Zumbi” que ”está chegando” da Grécia”, informou a empresária Lenise Ferreira, presidente da Associação Comercial de Vera Cruz, que participou da reunião com o dono da Internacional Marítima.

Faturar é o que Importa – Na construção dos novos atracadouros que vão receber o ferry “Zumbi” o governo fez uma dispensa de licitação para a obra no valor de R$ 10 milhões. A Internacional Marítima não entra com nada e não faz uma gracinha sequer para os usuários. A empresa só fará operar os navios e faturar a arrecadação. É o mesmo esquema do contrato com a TWB, que pelo menos incorporou os navios “Anna Nery” e o “Ivete Sangalo”. A Internacional não trouxe uma catraia sequer para a Bahia. O negócio é faturar.

“Depois de ocuparem imensos espaços na mídia com a decretação da caducidade do contrato da TWB, buscaram os mesmos dirigentes da Seinfra e da Agerba os holofotes para se vangloriar como se o feito fosse mérito deles, quando na verdade foram provocados por inúmeras ações no Ministério Público. Pensam que nós usuários somos imbecis e não lembrariamos o quanto sofremos e lutamos para tal conquista. Falaram em rombos nos cofres do governo, mas nunca explicaram até agora a movimentação de R$ 24,8 milhões nas contas da TWB através de depósitos da Seinfra após a intervenção no sistema. Não justificaram até agora, também, o gasto dos R$ 40 milhões liberados pelo governo para maquiar as embarcações e não falaram que existia uma dívida da TWB com o Banco do Nordeste que hoje chega a R$ 70 milhões e que o referido banco procurou a Internacional informando que as garantias desta dívida são os ferrys “Ivete” e “Anna Nery”. Nada fizeram, enfim, para que esse dinheiro retorne aos cofres públicos”, completou Lenise Ferreira.

Notícias Relacionadas

3 Comentários

  1. Fedegoso

    Palpitar pode, o que não quer dizer saber, entender do que fala. E soltam asneiras fazendo do que seria notícia mera publicidade.
    Vejamos.
    Tem um negócio aí que não encaixa. Vamos lá. As embarcações financiadas pertencem a quem? Quem é o dono delas? Elas estão registradas em nome de quem? Por exemplo. Quem deve e quem pegou o dinheiro do financiamento com o Banco do Nordeste? Se foi a TWB, a dívida por certo será da TWB. E o que se percebe é que a dívida é acionada contra a TWB. Sendo assim a dívida é da TWB. E as embarcações também são de propriedade da TWB.

    Ou será que sendo elas (as embarcações) de propriedade do Estado…o Estado as deu em garantia de dívida de terceiros, da TWB, por empréstimo de pessoa jurídica de direito particular, de direito civil ? Aí o buraco é bem mais embaixo. Se são 70 milhões…é um buracão. Considerando que mais 40 milhões foram noticiados como gastos em outras recauchutagens recentes…Estamos diante de um rombo e tanto. É muita água. O negócio vai a pique, por certo.

    Vamos pensar mais. Se um menino passar ali na Feira de São Joaquim e sair correndo depois de catar umas laranjas, umas goiabas… vai ser um deus-nos-acuda. Pegado o coitado vai ser tapa pra cima dos ouvidos, pescoção no pé da nuca, puxão de braços e quase certo vai dormir umas noites na cadeia. Com o passar dos dias na cadeia, tome mais sova. E quase esquartejado.

    Enquanto isso alguém diz que um ex-prefeito já foi multado em mais de 57 milhões e condenado ao ressarcimento de milhões e milhões de reais. O tal do ex-prefeito anda leve solto e fagueiro pela cidade afora. Roubar laranja é que é um problemão dos diabos.

  2. Angelica maria santana

    Se não fosse trágico seria muitíssimo engraçado as falcatruas no sistema ferry-boat! Na semana antes do feriado da semana santa teve quem comentasse uma reunião que aconteceu no ferry-boat com tal de Dr. Samir, homem de alta confiança do governo do estado, segundo um funcionário da internacional Marítima , que se diz conhecer a fama do Dr. Samir, é o Dr. quem está comandando juntamente com um tal de Dr. Ivan todas as mudanças do ferry, e a atrapalhada é muito grande. Segundo o funcionário, o Dr. Samir fez muita confusão enquanto estava na AGERBA contra o Eduardo Pessoa só para chegar nessa posição e que o Eduardo agora não manda em nada, está como Rainha da Inglaterra, segundo o Dr. Samir. Tem quem diga no ferry boat que essa dupla é da pesada. Coitado do povo da ilha de Itaparica e dos baianos em geral que precisam dessa travessia, que Deus os protejam, vem bomba por ai, haja sofrimento!. Falam que os zumbis já estão no Brasil, mas não podem ser vistos por conta da reforma nos terminais que até agora não foram feitas pela empresa contratada. Pergunta-se: cadê as placas das obras no ferry, e quem será que esta fazendo a obra, cadê a Capitania dos Portos, o MPE e MPF?? Afinal tem dinheiro estadual e federal na bagunça. Que governo atrapalhado. Internacional Marítima se você está achando que vai si dá bem, repense, entrou no rabo do foguete e vai ficar igualzinha a TWB e as outras, desmoralizada, cheias de processos na justiça, e os caras se lavando no dinheiro público, ETA Bahia retada!! Caia fora enquanto é tempo, o governo está acabando e a dívida vai aumentar!! só para lembrar: 70 do BNB que o governo tá no meio, 57 dos zumbi, 40 da reforma dos ferry mais velhos, mais não sei quanto da reforma dos terminais, são muitos milhões!!!!!!

  3. grisalho

    os problemas do ferry boat acabaram? o sistema esta funcionando uma maravilha? não tem mais queima de horários? não temos atrasos, filas de veículos e passageiros? as embarcações não quebram mais? pelo que tenho visto de noticias aqui no jornal da mídia, acho que todos os problemas do ferry acabaram…. ou somente a TWB era madeira de bater em doido ? e a internacional é a empresa mais competente para administrar o sistema… só rindo…..

Comentários estão suspensos