Câmara decide hoje se suspende mandato de Prisco

A Câmara Municipal de Salvador se reunirá nesta terça-feira, às 10h, no Paço Municipal, para decidir o futuro de Prisco, que pode ter o seu mandato suspenso, segundo o regimento interno.
A Câmara Municipal de Salvador se reunirá nesta terça-feira, às 10h, no Paço Municipal, para decidir o futuro de Prisco, que pode ter o seu mandato suspenso, segundo o regimento interno.
Vereadores, deputados, o advogado Fábio Brito, e membros da Aspra (Associação de Policiais e Bombeiros e seus Familiares do Estado da Bahia), reuniram-se nesta segunda-feira (21) para discutir a situação do vereador Marco Prisco (PSDB), que está preso desde sexta-feira (18) no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília.

O grupo, composto pelo ex-vereador Alcindo Anunciação (PT), o deputado Marcos Medrado (SDD), representantes do interior do estado e membros da Aspra, vai procurar a Ordem dos Advogados da Bahia (OAB) e espera que o órgão se pronuncie sobre o suposto risco de vida que o ex-soldado corre no complexo. “Queremos que seja respeitado o direito dele. Ele é vereador, tem direito a uma cela especial. Isso que estão fazendo é um absurdo”, revindicou Fábio.

Segundo Mota, apesar de já estar em uma cela individual – reivindicação que foi atendida pelo presídio –, Prisco ainda teme por sua vida. Nesta terça, acontecerá a primeira visita íntima das famílias dos presos desde que ele chegou ao local e os outros encarcerados devem ser informados da função de policial militar que o vereador soteropolitano exercia.

“Apesar de estar em uma cela individual, o banho de sol é conjunto. Ele está com presos de alta periculosidade como Marcola, Fernandinho Beira Mar. Ainda corre risco de morte”, alertou o defensor.

Diante da prisão de um dos seus integrantes, a mesa diretora da Câmara Municipal de Salvador se reunirá nesta terça-feira, às 10h, no Paço Municipal, para decidir o futuro de Prisco, que pode ter o seu mandato suspenso, segundo o regimento interno.

O habeas corpus, impetrado pelos advogados do tucano no Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não foi julgado pela ministra Carmén Lúcia, que tem até às 8h da manhã desta terça-feira (22) para realizar a apreciação. Caso a magistrada não julgue o pedido, o recurso será encaminhado ao ministro Ricardo Lewandowsk, que pode acatar ou não o pedido. (Correio, Alexandre Galvão)

Notícias Relacionadas