Encontro ensina petistas a quebrar rejeição que partido enfrenta no Facebook

No último sábado, o ponto de partida do discurso em que Alexandre Padilha, pré-candidato do PT ao governo de São Paulo, criticou a gestão de Geraldo Alckmin não foi o ensino, a segurança ou a saúde pública. Desta vez, Padilha começou a falar à militância petista com a página inicial do site do governo do Estado em uma projeção. “Se um jovem entrar no site e quiser descobrir como se inscrever em uma faculdade paulista, não vai conseguir e vai desistir.”

A escolha tem razão de ser, já que a fala ocorreu no Camping Digital, organizado pelo partido a fim de orientar seus seguidores a como se portar na web nas eleições. Inspirado na Campus Party, evento anual que ocorre em São Paulo com entusiastas de tecnologia, o evento custou R$ 400 mil ao partido.

Durante o feriado de Páscoa, militantes acamparam em um clube na zona rural de São José dos Campos (a 97 km da capital) e assistiram a palestras e debates. Entre quinta e domingo, a Folha esteve acampada em meio a eles. As principais conclusões são que os petistas têm dificuldade de difundir seu discurso nas redes sociais a quem não é simpatizante do partido e que a oposição é mais bem articulada. “Este é o novo espaço de disputa”, defendeu Tiago Pimentel, um dos palestrantes. “E a direita percebeu isso antes de nós.”

Para quebrar a rejeição que enfrentam na internet, principalmente no Facebook e no Twitter, os petistas devem adotar a linguagem do “meme”, imagens de fácil compreensão e na maioria das vezes de cunho humorístico, em detrimento do discurso de “panfleto” –descrito por palestrantes como “textos longos e chatos que ninguém lê”.

“Se a gente faz uma piada de política que envolve o Michael Jackson, por exemplo, atingimos não só a pessoa que gosta de política, mas também a que gosta de Michael Jackson”, exemplificou Cleyton Boson, coordenador de mídias sociais da Prefeitura de Guarulhos. (Alexandre Aragão, Folha de São Paulo)

Notícias Relacionadas