Paulo Souto diz que ouviu apelo da população para disputar o governo

Souto afirmou que   rejeição ao PT também condicionou os partidos DEM, PMDB e PSDB a caminharem juntos.
Souto afirmou que rejeição ao PT também condicionou os partidos DEM, PMDB e PSDB a caminharem juntos.
Um dia após ser confirmado como pré-candidato a governador na chapa das oposições, Paulo Souto (DEM) justificou a sua decisão de disputar o comando do estado nas eleições de 05 de outubro. O ex-governador que há alguns meses resistia a enfrentar as urnas disse que voltou atrás depois de ouvir o apelo da população. Segundo o democrata, a escolha não partiu de um desejo próprio, mas, “sim do povo baiano”, a quem ele agradeceu pelo estímulo de concorrer ao cargo.

Segundo informa neste sábado o jornal Tribuna, em matéria de Lilian Machado, na rede social facebook, há alguns meses foi criada uma página com o título: “Aceita Paulo Souto”. A rejeição ao PT, segundo ele, também condicionou os partidos DEM, PMDB e PSDB a caminharem juntos. Souto destacou o assunto em entrevista ontem a Rádio Sociedade da Bahia, quando sinalizou que as pesquisas, tradução do momento teriam o motivado para o pleito.

Entretanto, o ex-governador deixou claro que esse fechamento da composição só foi possível com o comando do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), que desde o início acreditou na unidade do grupo para o processo eleitoral. Ele minimizou a disputa interna com o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), que evidenciou o desejo de ser o postulante a Governadoria.

Em sua fala, Souto preferiu dar destaque a superação do fato pelo líder peemedebista, em nome da união. O ex-gestor baiano também deixou claro que o discurso será mostrar o melhor para Bahia e diante das composições já formadas previu uma eleição competitiva com os rivais. “Vamos marchar unidos, para uma eleição difícil”, concluiu.

Notícias Relacionadas