Malásia admite que mistério sobre voo 370 pode nunca ser resolvido

A Malásia advertiu que as razões que levaram ao desaparecimento do avião do Malaysia Airlines talvez nunca venham a ser conhecidas. O voo MH370 desapareceu no dia 8 de março, quando ia de Kuala Lumpur, na Malásia, a Pequim, na China. Ele tinha 239 pessoas a bordo.

Segundo o chefe de polícia malaio Khalid Abu Bakar, a investigação poderá ‘continuar e continuar’. “Temos que esclarecer cada coisinha. Ao final das investigações, talvez não venhamos a conhecer as verdadeiras causas. Talvez nem venhamos a saber as razões do incidente”, afirmou.

Ele ainda acrescentou que as investigações sobre todos os passageiros não apontaram indícios de que possa ter havido um sequestro ou sabotagem ou que alguém a bordo tivesse problemas psicológicos ou pessoais.

De acordo com o chefe de polícia, foram realizadas mais de 170 entrevistas com familiares dos pilotos e da tripulação.

Ele disse ainda que a comida servida no avião e o carregamento da aeronave estão sendo investigados.

A área das buscas é de 221 mil quilômetros quadrados, mas a névoa do mar e tempestades marítimas estariam reduzindo a visibilidade e dificultando as buscas, segundo a agência conjunta de coordenação das operações de buscas, criada na terça-feira, que atende pela sigla em inglês JACC.

Além de aeronaves, navios e submarinos de diferentes países, até mesmo o jato particular do cineasta Peter Jackson, o diretor da série “Senhor dos anéis”, está sendo utilizado nas buscas. (BBC Brasil)

Notícias Relacionadas