Ferryboat “Pinheiro” fica à deriva e mostra toda a incompetência do governo e do operador

REDAÇÃO DO JORNAL DA MÍDIA

Salvador – Depois de passar mais de 3 horas à deriva na Baía de Todos os Santos, o ferryboat “Pinheiro”, completamente lotado de passageiros e veículos, foi rebocado pelo ferry “Juracy Magalhães” e conseguiu chegar ao Terminal de Bom Despacho, na Ilha de Itaparica. O navio era para sair de Salvador às 5h da manhã desta segunda-feira (20), quando apresentou um problema antes de zarpar. E conseguiu desatracar às 6h e com pouco tempo de viagem apagou os motores e começou a roda, sem leme e sem comando no mar. Completamente à deriva.

O ferry "Pinheiro" foi puxado em uma corda pelo "Juracy Magalhães". As imagens do descaso só comprovam o que o Jornal da Mídia vem informando há anos: a incompetência e a incapacidade de gestão acabaram com o sistema ferryboat, que presta um serviço caótico e causa trantornos como o de hoje, à população (Foto: imagem capturada da Rede Record).
O ferry “Pinheiro” foi puxado a corda pelo “Juracy Magalhães”. As imagens do descaso impressionam e só comprovam o que o Jornal da Mídia vem informando há anos: a incompetência e a incapacidade de gestão acabaram com o sistema ferryboat, que presta um serviço caótico e causa transtornos, como os de hoje, à população (Foto: imagem capturada da Rede Record).

O acidente com o “Pinheiro” é apenas mais uma prova que serve para comprovar o caos do sistema ferryboat, operado pela empresa Internacional Marítima, que tem um contrato emergencial com o Estado que já dura 10 meses. A Internacional veio atuar na Bahia através da Secretaria de Infraestrutura e Agerba, que foram buscar a empresa no Maranhão. O acidente com o “Pinheiro” é apenas mais um que acontece, mas o governo continua garantido que o sistema ”nunca esteve tão bem como agora”.

Vale lembrar que o ferry Pinheiro foi “totalmente reformado” pela própria Internacional Marítima em parceria com a baiana Lumar, com recursos do Governo do Estado, que desembolsou só para este navio mais de R$ 4 milhões – no total, foram gastos mais de R$ 40 milhões na “reforma” da frota. Esse navio passou por serviços de novembro de 2012 a janeiro de 2013, quando foi “reincorporado” com muita festa pelo governador Jaques Wagner em companhia do vice Otto Alencar. Quatro dias depois, o navio quebrou e nos últimos 12 meses já apresentou vários problemas, ficando constantemente fora de tráfego.

Em 29 de janeiro de 2013, o governador Jaques Wagner e o vice Otto Alencar "renauguraram", com muita pompa, o ferryboat "Pinheiro", dado como completamente reformado. Menos de uma semana depois, o navio que consumiu mais de R$ 4 milhões, quebrou. De oito ferries, só cinco podem operar precariamente. Vivem constantemente fora de tráfego, mas o governo tenta passar através da imprensa que o sistema nunca esteve tão bem. Pura cascata. (Foto: Arquivo/Jornal da Mídia)
Em 29 de janeiro de 2013, o governador Jaques Wagner e o vice Otto Alencar “reinauguraram”, com muita pompa, o ferryboat “Pinheiro”, dado como completamente reformado. Menos de uma semana depois, o navio que consumiu mais de R$ 4 milhões, quebrou. Os serviços foram executados pela Internacional Marítima, empresa que o governo foi buscar no Maranhão, com respaldo dos Sarneys, para operar o sistema. De oito ferries, só cinco podem trafegar e precariamente. Vivem constantemente fora de tráfego, mas o governo tenta passar, através da imprensa, que o sistema nunca esteve tão bem. Pura cascata. (Foto: Arquivo/Jornal da Mídia)

Quadro É Vergonhoso – As imagens aéreas mostradas para todo o país pela Rede Record, com o ferry “Pinheiro” sendo puxado com cordas pelo “Juracy Magalhães”, são um retrato da realidade de um sistema decadente, operado de forma bisonha e sem qualquer fiscalização do Estado. A Agerba, o órgão fiscalizador, se omite completamente sobre a situação. A autarquia´está esfacelada e é tocada unicamente por afilhados e filhos de políticos da base do governo Wagner. A Seinfra, do secretário Otto Alencar, faz propaganda com os novos ferries que iriam chegar neste mês de janeiro e prefere passar para a opinião pública uma situação irreal que jamais convence aos usuários do sistema.

A Internacional Marítima parece se gabar ao anunciar que tem “cinco navios” em tráfego (na realidade, normalmente só existem dois ou três porque os demais vivem constantemente quebrados), como se esse número fosse uma grande coisa, uma conquista. Há 20 anos, o sistema operava com oito embarcações, a demanda de passageiros e veículos era o dobro da atual e a população de Salvador era também a metade de hoje. Com o descrédito total que tomou conta do ferry, a demanda despencou de forma espetacular e a desculpa do governo e da operadora é de que as ”filas cresceram agora” porque a demanda também cresceu. Pura inverdade. Basta pegar os números de 1987, do Governo Waldir Pires, e comparar com os atuais – mais de 1,2 milhães de veículos e 5,5 milhões de passageiros transportados. Hoje, pouco mais de 700 mil carros utilizam o sistema.

Os usuários passam seis horas na fila de veículos, mas a operadora, ancorada pelo governo, sempre divulga como tempo médio de espera é de duas horas e meia. E o governo, que por incompetência ou por algum interesse não acompanha e nem fiscaliza, ilude o povo com promessas, com factóides. Independente do sofrimento dos usuários habituais do sistema, o que a Bahia passa para os turistas é uma imagem de decadência, de um Estado que não cuida do patrimônio público, que se omite, que não fiscaliza um serviço público concedido e que parece atuar para favorecer empresas sem condições de servir bem e sem comprometimento com os interesses da população.

População paga pela incompetência de alguns – Lembrando o slogan da campanha do Governo do Estado, esta não é, sinceramente, a Bahia de todos nós. O sistema ferryboat, repetimos, é caótico, ultrapassado, arcaico, tudo por falta de gestão e de comprometimento do governo e dos operadores. A incompetência campeia e nem mesmo com a propaganda enganosa o governo conseguirá convencer. Apesar de ter sido concedido em 1996, por Paulo Souto, à iniciativa privada, foi no Governo Wagner que a situação se degringolou completamente, com inúmeros acidentes, desvios de equipamentos, superfaturamento de embarcações, etc.

É o preço que a população paga por escolhas equivocadas, pelo governo, de empresas incapacitadas para gerir o sistema. São companhias sempre de fora da Bahia e a opção parece ser unicamente lastreada em critérios políticos e nunca técnicos. Parece até que na Bahia não existem empresários capazes. O Comab, que recebeu o sistema de mão beijado no governo Paulo Souto, em 1996, foi uma invenção do então secretário Eraldo Tinoco.

A TWB, já encontrada aí pelo atual governo, tinha ligações com gestores e políticos da gestão de Jaques Wagner. Se envolveu em escândalos espetaculares. E a Internacional Marítima, cujo dono é sócio de Jorge Murad, esposo de Roseane Sarney, segundo os jornais O Globo e Estado de São Paulo, dizem que atracou na Bahia debaixo das asas do deputado Zequinha Sarney, que teria feito o pedido a um secretário de Estado. Uma coisa vergonhosa.

Leia também:

Notícias Relacionadas

10 Comentários

  1. Fedegoso

    Estava viajando e fui à página do jornal da mídia. Computador diferente. E,de cara, um aviso: cuidado, tentam invadir o seu computador. Observo, ninguém comenta mais nada sobre o ferry. Cisma só?

  2. Pepe

    Isso aí é mutretagem com muitos levandoo seu papezinho. Tambem quebram os barcos de propósito pra forçar o governo a liberar dinheiro pra o bolsinho. Ninguém é besta as partes acabam saindo felizes e o povo que se lasque todo.

  3. Jorge S. D. Santos

    Pode ser que tão sacaneando o Jornal da Mídia pois sou empregado do Reda em uma secretaria e ontem de manhã tentei diversas vezes acessar o noticiario do JM e não tive êxito.

    Aí me disseram que em algumas máquinas tava vetado, não entrava e um colega disse que foi porque o jornal publicou uma crítica a mulher do governador sobre emprego fantasma. Mas eu consegui de tarde já no meu celular. É verdada que censuraram vocês?

  4. Manoel Carlos Santos

    Fedegoso voltaste? Vc tá certo. Tão boicotando já aconteceu isso comigo também e quando a gente vai acessar aparece uma tentativa de vírus querendo entrar no seu computador. Mas possivelmente o pessoal já percebeu isso é boicote.

  5. Thiago Santos

    EU AVISEI !!!
    A MUTRETA DA INTERVENÇÃO JÁ COMEÇOU A ESTOURAR…
    É GOVERNOZINHO VAGABA !!! EITA INTERNACIONAL GULOSA !!!
    EITA POVO BESTA !
    SE LIGA BRASIL !
    FORA PTRALHAS!

  6. Lenise Ferreira

    Êêtaaaa BAHIA PORRETA !!!! Aqui em Itaparica, nesta manhã de terça feira, a fila de veículos esta há cerca de 4 kms do portão de embarque. Já liguei para a Polícia Rodoviária, falei com o Cap. Novato, pois as baias estão vazias e a Internacional mantém os veículos do lado de fora por medo de quebra quebra já que não tem embarcações suficientes para atender demanda. Resultado: veículos ocupam o acostamento e o leito da pista, colocando em risco motoristas e pedestres.

    Em relação ao problema com o PINHEIRO na manhã de segunda feira, tenho vídeos que mostram ambulâncias e até carros funerários transportando um cadáver. Nem depois de morto o cidadão baiano recebe o respeito que lhe é devido por estes gestores públicos.

    Está na hora de WAGNER deixar de lado a politicagem e o amadorismo e colocar profissionais competentes, técnicos à frente da SEINFRA e da AGERBA. A ponte é real? Não há motivo para continuar impondo tanto sofrimento para os usuários deste importante meio de transporte.

    PARA OS DEPUTADOS BAIANOS, o meu desprezo. Vcs são permissivos, omissos e tão responsáveis quanto qualquer diretorzinho destes cabides de emprego existentes. OMISSÃO CRIMINOSA.

    Em 03/01 recebi torpedo de um tripulante me recomendando evitar viagem no Pinheiro pois, segundo ele, é uma bomba relógio. Falei com Carlos Henrique da IM e obviamente, nada foi feito. A matéria acima é prova deste descaso.

  7. Eduardo Barreiro

    É bom lembrar que quem entregou o sistema Ferry Boat de mão beijada para a iniciativa privada foi o carlismo. Se na época de Paulo Souto funcionava, era por que o Governo do Estado despejava rios de dinheiro e outras benesses (como concessões para piscicultura) sobre a concessionária. Quando a torneira começou a fechar, a coisa foi degringolando. Mias uma herança do tempo em que a baia era governada com dinheiro em uma mão e o chicote na outra (palavras do próprio ACM).
    O “curioso” é que mesmo depois da queda do carlismo o Governo dá uma de Jõao Sem Braço nesta questão. Se houvesse um mínimo de vergonha na cara no legislativo e executivo esta questão já teria sido tratada com a devida seriedade e transparência.

  8. CARLOS DE VOLTA

    MINHA INDIGNAÇÃO É TOTAL DESDE O GOVERNO DE PAuLO SOUTO DE 1996, ROUBAM DE LÁ ATÉ HJ no govern WAGNER DO PT AVACALHOU DE VEZ A ROUBALHEIRA DESCARADA. LEVARAM ATé PEÇAS DOS NAVIOS PRA ORNAMENTAR CASAS DE RICOS NO ENCONTRO DAS ÁGUAS. LADRÕES, VOCÊS SÃO LADRÕES E CONTINUAM ROUBANDO. GENTE SEM VERGONHA.

  9. Fedegoso

    Pronto. Vamos ler o que diz a Dona Lenise:
    “PARA OS DEPUTADOS BAIANOS, o meu desprezo. Vcs são permissivos, omissos e tão responsáveis quanto qualquer diretorzinho destes cabides de emprego existentes. OMISSÃO CRIMINOSA. ”

    Vamos interpretar. Por exemplo.
    – Quem indica os diretores e funcikonários comissionados da empresa reguladora ? Resposta: – Os políticos. Resumo. Quem são os culpados da desgraceira todinha? Vamos pensar mais um pouco e concluírmos que estamos chovendo no molhado. Né!!!E como resolver a questão? Fácil. É só esquecer da privatização que queremos fazer. Essa privatização é o que favorece à….

  10. FUNCIONARIO DESSAI

    ENQUANTO VOCES SE PREOCUPAM EM ASSISTIR BOCÃO E SE ESPANTA COM MAIS UM BARCO REMENDADO POR NOIS QUE QUEBRA A GRANA ROLA SOLTA AQUI.É UM TAL DE PACOTES SAINDO DA ARRECADAÇÃO PRO PREDIO PRINCIPAL. TODOS NOIS SABEMOS QUE LÁ VAI AS MESADAS. E NOIS ATÉ TARDE SE VIRANDO PRA DESQUEBRAR. EH SIM DE VERDADE

Comentários estão suspensos