Pirelli implantará na Bahia 1º projeto de produção de vapor por energia solar

Beatriz Farrugia
Da Agência ANSA

São Paulo – A Pirelli e o Ministério do Meio Ambiente da Itália apresentaram, em São Paulo, um projeto de implantação do primeiro equipamento solar de grandes dimensões para a produção direta de vapor para ciclos industriais.

A tecnologia será instalada na fábrica da Pirelli em Feira de Santana, na Bahia, e, no futuro, poderá ser aplicada a outros setores do mercado brasileiro e mundial. O sistema, que teve um investimento do governo italiano de 1,3 milhão de euros, estará ligado diretamente às linhas de vapor utilizadas para a produção de pneus.

Segundo representantes da Pirelli, estima-se que a tecnologia proporcione uma redução de 2.000 toneladas de gás carbônico em cinco anos na planta de Feira de Santana.

Produzindo vapor de temperatura média, o equipamento a ser instalado possui uma superfície espelhada de coletores solares de 2.400 m². Atualmente, a planta de Feira de Santana possui uma área total de 480.000 m². A previsão para o projeto entrar em operação total é julho de 2014.

A tecnologia é fruto de um acordo assinado em 2012 entre o governo italiano e a Pirelli. Devido às características geográficas e meteorológicas da Bahia, a fábrica de Feira de Santana foi escolhida para receber o projeto piloto.

Todas as operações serão monitoradas pela Agência Italiana de Comércio Exterior (ICE) e pela organização não-governamental brasileira Fórum das Américas (FAM). Além disso, há a participação do Politécnico de Milão e do Grupo Angelantoni, o qual fornecerá a tecnologia exclusiva de sistema solar termodinâmico.

“O que acho mais fascinante nesse projeto é a transferência de tecnologia avançada para um país de economia emergente”, disse o diretor-geral para o Desenvolvimento Sustentável do Ministério do Meio Ambiente da Itália, Corrado Clini. “É um projeto inédito e já estamos estudando a possibilidade de aplicá-lo em outros setores, adequando sua escala”, completou.

Segundo Clini, está em andamento uma negociação com o governo de São Paulo para que a produção de vapor através de energia solar possa ser testada no setor civil e na refrigeração de hospitais.
(Ansa Brasil)

Notícias Relacionadas