Bradley Manning diz que é mulher e quer mudar de sexo

AGÊNCIA ANSA

Nova York – O soldado norte-americano Bradley Manning, condenado a 35 anos de prisão por ter divulgado documentos sigilosos para o site WikiLeaks, afirmou hoje, dia 22, que é uma mulher, que quer mudar de sexo e ser chamado com o nome de Chelsea.

“Quero ser submetido a uma terapia de hormônios o mais rápido possível. Eu espero que vocês apóiem minha transição. Peço que a partir de hoje vocês me chamem com meu verdadeiro nome feminino, Chelsea”, afirmou Manning em uma declaração ao Today Show da emissora norte-americana NBC.

Leia também:

Durante o processo, a defesa do soldado evidenciou as fortes pressões psicológicas sofridas pelo jovem, que tem 25 anos, durante o período de vigência da lei conhecida como “don’t ask, don’t tell” [não pergunte, não conte, na tradução livre].

A lei proibia para qualquer pessoa homossexual ou bissexual de revelar sua orientação sexual ou de falar sobre relacionamentos homossexuais, incluindo casamentos, enquanto prestava serviço nas Forças Armadas dos Estados Unidos. A lei foi revogada pelo presidente Barack Obama em 2008.

Em uma declaração lida durante o Today Show, Manning agradeceu seus apoiadores. “Quero agradecer todos aqueles que me suportaram nos últimos três anos. Suas cartas e seu encorajamento me ajudaram a ficar forte. Terei sempre uma dívida com aqueles que me escreveram, que doaram dinheiro para minha defesa ou que vieram assistir a parte de meu processo”, afirmou o soldado.

O advogado de Manning informou que apresentará o pedido de perdão presidencial e que espera que sua apelação seja acolhida por Obama. O advogado disse que não está preocupado com a segurança do jovem durante o período que ele permanecerá na prisão. “Existem soldados que estão na prisão e que querem somente passar lá o tempo necessário e depois sair”, afirmou o advogado. (Ansa Brasil)

Notícias Relacionadas