Carvalho: investigação sobre cartel deve ser feita “doa a quem doer”

Wellton Máximo
Repórter da Agência Brasil

Brasília – O ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, disse hoje (17) que a investigação da Controladoria-Geral da União (CGU) sobre as empresas suspeitas de fazer parte do cartel do metrô e de trem deve ser feita em todos os níveis de governo. “Doa a quem doer, a investigação tem que ser feita em qualquer estado ou país”, disse sobre a investigação de contratos de empresas estatais com as empresas suspeitas de integrarem cartel nas licitações de metrô e trem em São Paulo. O ministro deu a declaração ao participar de um evento no Palácio do Planalto para parentes de funcionários e profissionais terceirizados.

A CGU informou nesta semana que vai propor a notificação da empresa Siemens para que preste esclarecimentos sobre denúncias de formação de cartel nas licitações do Metrô de São Paulo e da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

A empresa faz parte do Cadastro Pró-Ética, mantido pela CGU, que faz exigências para adesão e permanência na lista, como não se envolver em denúncias capazes de gerar questionamentos quanto ao compromisso da empresa com a ética e a integridade. O comitê gestor do cadastro é que avaliará a possível exclusão da Siemens.

Notícias Relacionadas