Caio Júnior reconhece que o Vitória precisa ser mais competitivo como visitante

Salvador – O Vitória já está em Belo Horizonte para jogar contra o Cruzeiro, às 18h30 deste sábado, na Arena Mineirão, pela 15ª rodada do Brasileiro da Série A. Quinto colocado com 22 pontos (mesma pontuação do Grêmio, quarto, que supera o rubro-negro no saldo de gols) o campeão baiano terá os retornos de Michel, Dinei e Maxi Biancucchi.
Mas o Vitória ainda não contará com os laterais Nino (direito), Mansur e Danilo Tarracha (esquerdo) e o meia Escudero.
O treinador Caio Júnior desembarcou no Aeroporto Presidente Tancredo Neves, em Confins (Região Metropolitana de Belo Horizonte) sem o time definido.
“Jogar de três em três dias é quase que desumano. São tantos relatórios, tantos jogos, coisas para pensar que às vezes você fica zonzo. Passa muito (a escalação do time) pelo que vi do Cruzeiro e vou ver ainda na viagem. Me preocupa, por exemplo:  o Euller teve câimbra no final (do jogo contra a Ponte Preta). É um menino,  o lado mental pesa também e vamos ver como ele está se sentindo. Luís Alberto não jogava 90 minutos há bastante tempo e Vander já jogou duas partidas 90 minutos. Tem  alguns detalhes importantes para analisar e tem jogadores que estão crescendo. É o caso Vander e por isso estou estudando bem qual a ideia, principalmente porque tenho a volta do Michel, Maxi e Dinei”, justificou Caio para não antecipar a equipe.
O técnico reconhece que chegou o momento de o Vitória voltar a vencer fora de casa. O único triunfo foi diante do Náutico, na segunda rodada, antes da paralisação do Brasileiro por causa da Copa das Confederações.
 “Nós precisamos ter uma postura mais forte fora de casa. Vou falar do jogo contra do Coritiba que foi o jogo que marcou esse grupo fora de casa. Fizemos um grande primeiro tempo e foi um pouco injusto o resultado (1 x1). Precisamos ter uma postura mais competitiva fora de casa. O Mineirão vai ser um grande desafio para nós”, disse na coletiva o treinador rubro-negro.
Caio confirmou Dimas na lateral-direita, a manutenção de Euller na esquerda, e os retornos de Michel, Maxi e Dinei.
Rachão
Um descontraído rachão que terminou empatado em 2 a 2 foi a única atividade dos jogadores titulares nesta sexta-feira, pela manhã. O destaque foi o ex-goleiro e preparador de goleiros Washington Rufino, que marcou os dois gols do time com camisa cinza, e passou a ser chamado de “Valter” atacante do Goiás. O goleiro Deola, que vem se revelando artilheiro nos rachões, e Rômulo marcaram para o time com colete verde.
Camisa cinza – Júnior (sub-20), Gabriel Soares, Matheus Salustiano, Dimas, Vander, Michel, Edson Magal, Luís Alberto, Pedro Oldoni, Camacho, Renato Cajá, Dinei, Victor Ramos e Washington Rufino; Colete verde – Gustavo, Maxi Biancucchi, Felipe, Rômulo, Elizeu, Reniê, Daniel Borges, Neto Coruja, Marquinhos, Euller, Leilson, Fabrício e Deola.

Notícias Relacionadas