Funcionários de plataformas da Petrobras na Bacia de Campos fazem greve de 24 horas

 Agência Brasil

Rio de Janeiro – Os funcionários da Petrobras que trabalham embarcados na Bacia de Campos, no norte fluminense, estão em greve de 24 horas, em função da suspensão do pagamento de repouso semanal remunerado. A empresa diz ter uma liminar para não fazer o pagamento e, até agora, 41 das 46 plataformas aderiram ao movimento e tiveram suas operações paralisadas.

A Petrobras entrou na Justiça para derrubar a ação em que o Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF) ganhou o direito ao pagamento. O julgamento do mérito está marcado para terça-feira (13). Segundo o diretor de Comunicação do Sindipetro-NF, Marcos Breda, os petroleiros poderão fazer outras paralisações pelo pagamento do repouso remunerado.

“Dia 13 está marcado o julgamento da ação rescisória que a Petrobras entrou para tentar acabar com uma ação de 2005 que nós ganhamos na Justiça, mas a empresa começou a pagar no ano passado e mais de um ano depois cancelou o pagamento. A Petrobras alega que tem uma liminar na Justiça que propícia que ela não pague isso. Só que a nossa interpretação é que a liminar não permite que ela não pague o valor para o pessoal que ela já estava pagando”, explicou.

Breda falou também que o Sindipetro-NF não foi chamado pela Petrobras para negociar. Na próxima segunda-feira (12) haverá um seminário em Macaé com os trabalhadores para buscar alternativas e mobilizar mais funcionários.

“Na última mobilização, a Petrobras chegou a falar que ela estava aberta à negociações, mas não nos chamou para conversar. Na segunda-feira, nós vamos fazer um seminário em Macaé, com os trabalhadores que participaram da greve, com algumas representações dessas 41 plataformas, para a gente discutir alternativas para fazer mobilizações cada vez mais fortes”, disse.

Notícias Relacionadas