Doenças ocupacionais na construção diminuem quase 14%

São Paulo – O número de doenças de trabalho registrado pela Previdência Social caiu 13,8% no setor da construção de 2009 para 2011, de acordo com o último Anuário Estatístico divulgado. Foram 957 casos recentes, contra 1.111 anteriores, em todo o país. Contudo, o relatório da OIT (Organização Internacional do Trabalho) divulgado no primeiro semestre deste ano, em comemoração ao Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho, revela que há uma média diária de 5.500 registros de mortes decorrentes de doenças relacionadas ao trabalho em todo o mundo.

Um dos males mais comuns do setor da construção civil, que pode acometer os profissionais da área, é a dermatite alérgica. O cimento, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, é uma das substâncias mais propícias a provocar a reação na pele exposta. Ácidos, solventes, sabonetes ou detergentes, materiais presentes em obras, também podem desencadear a mesma irritação na pele do trabalhador, mesmo que ele não tenha propensão a alergias. O recomendado pela instituição é evitar o contato direto com essas substâncias.

Prevenção em PVC – Pensando nos profissionais do setor que precisam de proteção para os pés ao lidar com cimento e outros materiais abrasivos, a Fujiwara, marca de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) da BSB (Brazil Safety Brands), uma das maiores produtoras de calçados de segurança da América Latina, levará à 5ª Expo Proteção – Feira Internacional de Saúde e Segurança no Trabalho, em parceria com a Grainger, botas de PVC (Policloreto de Vinila) da linha Atlantis. De acordo com o gerente nacional de Vendas, Emerson David, os modelos têm como principal vantagem a fácil higienização. Além disso, o composto de PVC utilizado pela marca é uma fórmula exclusiva, com alto teor nitrílico, que torna os calçados mais resistentes a produtos químicos.

“Essas botas são 100% impermeáveis e têm alta durabilidade. O solado é antiderrapante e foi projetado com ranhuras dispostas de tal maneira que facilitam a remoção de resíduos do solo que possam aderir ao calçado”, ressalta. A Atlantis vem para o trabalhador na versão cano curto, de 27cm de altura, e cano extra curto, de 18cm. A linha está disponível nas cores branco e preto e pode ter como opcional a palmilha antiperfuro, que protege contra objetos cortantes também presentes nas obras, como pregos, pontas de metal e ferramentas. Outros modelos da Fujiwara em PVC, como os da linha Gran Atlantis, que oferecem opcional de biqueira e palmilha de aço, e ampla proteção para as pernas com o cano de até 38 cm, também estarão em exposição na feira.

Notícias Relacionadas