Mantega declara que ‘inflação é a pior coisa’, mas mantém otimismo

O ministro Guido Mantega (Fazenda) declarou neste domingo que a inflação é “a pior coisa” que o Brasil enfrenta. Mesmo assim, em declaração à revista Veja, manteve seu “otimismo” de sempre: “Não posso dizer que cresceremos 1,5% e dizer que está bom. Nossa meta é buscar uma taxa de crescimento de 5%”. Trata-se da mesma meta de 2011, quando o ritmo de avanço do Produto Interno Bruto (PIB) quase não passou dos 2%.

Segundo ele, o Brasil se saiu “muito bem” da crise econômica de 2008 e 2009 e, por conta dos resultados favoráveis, sua pasta trabalhou com expectativa essa expectativa alta. “O país colhia resultados favoráveis, com aumento dos investimentos e do consumo. Havia um otimismo realista no ar”, afirmou.

“Em 2011, no entanto, começamos o ano com pressões inflacionárias. Tivemos de tomar medidas para controlar a inflação. Ainda assim, a taxa ficou em 6,5% naquele ano, no limite superior da meta inflacionária”, justificou. (Diário do Poder)

Notícias Relacionadas