Cielo arranca inédito tri mundial nos 50m livre em Barcelona

Com prova perfeita, Cielo sobra na turma e triunfa no Mundial em Barcelona
Com prova perfeita, Cielo sobra na turma e triunfa no Mundial em Barcelona
Barcelona/ESP – O Brasil está fazendo uma campanha histórica no Mundial dos Esportes Aquáticos de Barcelona. A medalha que deu o tricampeonato a Cesar Cielo nos 50m livre foi a nona do país na competição e a terceira dourada (três de ouro, duas de prata e quatro de bronze), o que coloca a delegação brasileira em sexto lugar geral no quadro de medalhas entre as 181 nações participantes. Cielo é o primeiro tricampeão mundial da prova.

Voltando à boa forma depois de operar uma tendinopatia nos dois joelhos, Cesar disse ter sentido que voltou.

– Ontem (sexta-feira, 2/08) eu estava na primeira semifinal e sabia que o Manaudou estava na segunda e o Fred (Bousquet) também e aí na minha cabeça eu pensava assim “quero mandar uma mensagem pra esses caras. Quero fazer uma limpa e quero que eles nadem em cima desse tempo”. Na semifinal tive uma prova dura. Achei que não fosse dar porque o Manaudou está nadando muito bem e com uma saída ótima, porque esse é o meu ponto fraco por conta da minha cirurgia. Era um ponto de honra nadar melhor que no Maria Lenk (Campeonato Brasileiro em abril) porque não era possível nadar pior e com o joelho melhor. Era enfiar a mão na parede e ver o que ia acontecer – contou.

Cesar voou na piscina do Palau Sant Jordi. Seu tempo, 21s32, lhe daria a medalha olímpica ano passado, quando ficou com o pódio de bronze. O francês Florent Manaudou campeão olímpico em 2012 com 21s34, e favorito para ganhar em Barcelona, pois ganhara as eliminatórias e semifinais, nem ao pódio subiu terminando na quinta posição (21s64). O pódio dos 50m livre da noite deste sábado foi completado pelo russo Vladimir Morozov (21s47) e pelo trinitino George Bovell (21s51).

– Eu vim aqui tentar uma medalha de ouro. Sinceramente eu achava que a minha maior chance era os 50m borboleta. Então esse foi o melhor sentimento pós-prova que eu pude sentir. Vi que estou pronto de novo pra desafiar qualquer um. Foi uma final menos tensa que a dos 50m borboleta, mas foi uma superação minha mesmo de conseguir vencer a prova depois da cirurgia – disse.

Seis anos no topo do planeta – Cesar Cielo está no topo do mundo nos 50m livre desde 2007, quando aos 20 anos terminou em sexto no Mundial dos Esportes Aquáticos de Melbourne (depois de ser quarto nos 100m livre), para se sagrar campão pan-americano no Rio de Janeiro, meses depois. Desde então construiu uma carreira que o transformou no maior atleta olímpico brasileiro da atualidade e um dos maiores nomes da história esportiva do país. No cinquentinha, Cesar venceu os Jogos Olímpicos de Pequim 2008, o Mundial dos Esportes Aquáticos de Roma 2009, o Mundial em Piscina Curta de 2010, foi bicampeão no Mundial dos Esportes Aquáticos de Xangai 2011, foi medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Londres 2012, e ainda é o dono do recorde mundial da distância, 20s91.

A final em Barcelona mostra que a natação está cada vez mais longeva para os atletas. Perfilados da raia um a oito estavam três medalhas de ouro olímpicas – Syndey/2000 (o americano Anthony Ervin), Pequim/2008 (Cielo) e Londres/2012, (o francês Florence Manaudou) – mais uma medalha de prata olímpica Frederick Bousquet, da França, segundo melhor tempo da prova na história (20s94), e uma medalha de bronze olímpica (Atenas/2004) com o mais velho da prova, o sul-africano Roland Schoeman, de 33 anos.

E amanhã pode ter mais pódio verde e amarelo, já que Daniel Orzechowski se classificou para a final dos 50m costas com o quarto tempo, 24s79, e Thiago Pereira vai disputar a prova que lhe deu a prata olímpica em 2012, os 400m medley.

Daniel marcou o quarto tempo dos 50m costas, 24s79, empatado com o americano Matt Grevers, segundo melhor da primeira série. A série de Daniel foi mais forte, com domínio francês: Camille Lacourt, 24s39, e Jeremy Stravius, 24s45. O israelense Guy Barnea, melhor da primeira bateria, ficou com o terceiro tempo, 24ss73.

– O objetivo era entrar na final mesmo, fiz um tempo bem próximo do tempo da manhã, nadei duas vezes no dia na casa dos 24 médio,,24 alto. Estou . A final está aberta, todo mundo próximo. Descansar pra amanhã dar um bom resultado – disse Daniel, que ainda não sabe se vai nadar as eliminatórias do revezamento medley, na manhã deste domingo, 4/07, último dia de competição. As eliminatórias terão o Brasil nos revezamentos 4x100m medley masculino e feminino, e ainda Joanna Maranhão e Thiago Pereira nos 400 medley.

Notícias Relacionadas