Situação do Bahia é caótica e desesperadora, afirma interventor.

A interventoria que administra os trabalhos no Bahia terá dificuldades para quitar a folha salarial do próximo mês, que vence na quinta-feira, dia 8 de agosto. Em entrevista ao jornal A Tarde, o interventor Carlos Rátis definiu a situação financeira do clube como “caótica e preocupante”.

Três são, segundo Rátis, os principais problemas que inviabilizam as contas do tricolor. A mais preocupante delas é uma antecipação de receitas tomadas pela gestão do presidente destituído Marcelo Guimarães Filho, que compromete o orçamento administrativo do Bahia em até 36 meses.

Embora o interventor não tenha informado os números da cota adiantada e nem quais foram as empresas que a realizaram, a reportagem apurou que as parcelas são referentes ao contrato de televisão com a Rede Globo, firmado em R$ 35 milhões por temporada.

Notícias Relacionadas