Morador de rua é queimado enquanto dormia em praça do Distrito Federal

Agência Brasil

Brasília – O morador de rua Edivan da Lima Silva, 48 anos, foi atacado hoje (1º) por volta das 5h38, no Guará, cidade do Distrito Federal a cerca de 10 quilômetros de Brasília. Pelos relatos prestados aos policiais, três pessoas encapuzadas atearam fogo no morador enquanto ele dormia em uma praça. Ele está internado em estado grave no Hospital Regional da Asa Norte (Hran), com queimaduras em 63% do corpo. Há 16 anos, um grupo de adolescentes ateou fogo no índio Galdino Jesus dos Santos, na Asa Sul de Brasília, que não resistiu aos ferimentos e morreu.

A vítima foi socorrida pelo Corpo de Bombeiros e pela Polícia Militar (PM). A Polícia Civil informou que havia quatro moradores de rua dormindo no local no momento do crime. O morador de rua teve queimaduras de terceiro grau em 27% do corpo, inclusive na região da cabeça. O caso é  investigado pela 4ª Delegacia de Polícia do Guará.

O delegado Jeferson Lisboa Gimenez, responsável pelo caso, disse que as três pessoas encapuzadas jogaram material inflamável perto do local onde os moradores dormiam. O delegado disse que a polícia trabalha com a suspeita de brigas entre moradores de rua, mas que o alvo não era Edivan, e sim um morador que conseguiu fugir.

A polícia já ouviu três testemunhas. Elas contaram que todos os moradores estavam ao redor de uma fogueira e foram surpreendidas pelo ataque. O único que dormia no momento do crime era Edivan, por essa razão os policiais acreditam que ele não conseguiu escapar.

Dois moradores de rua que estavam no momento do crime contaram detalhes sobre o ataque. O morador de rua Luiz Antônio Silva, 42 anos, e amigo de Edivan, disse que estavam deitados no chão da praça, quando foram observados por três homens que, em seguida, jogaram gasolina em cima deles. Ele conta que conseguiu escapar porque não estava dormindo, mas que chegou a ser perseguido por um dos homens.

Luiz Antônio disse ainda que Edivan não tem inimigo e é uma pessoa tranquila. Os moradores da quadra vizinha à praça contaram à Agência Brasil que a vítima colaborava com todos e não causava problemas.

Notícias Relacionadas